Bolsa Bolsa nacional soma 0,5% e acompanha ganhos da Europa

Bolsa nacional soma 0,5% e acompanha ganhos da Europa

O principal índice da bolsa de Lisboa inverteu a tendência de queda registada no início da manhã e segue agora do lado dos ganhos. Entre as restantes praças europeias, o sentimento é também de ganhos.
Bolsa nacional soma 0,5% e acompanha ganhos da Europa
Miguel Baltazar/Negócios
Ana Laranjeiro 14 de dezembro de 2015 às 10:36

A bolsa nacional inverteu a tendência negativa do arranque da sessão e segue agora do lado dos ganhos, em linha com a Europa. O PSI-20 soma 0,54% para 5.113,94 pontos, com 13 empresas a negociarem em alta, quatro em queda e uma inalterada. Entre as restantes congéneres europeias o sentimento é também de ganhos numa altura em que os investidores aguardam pelo encontro da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed). Do encontro da autoridade monetária norte-americana poderá sair a decisão de subir as taxas de juros o que, a acontecer, representa a primeira subida desde 2006.

A liderar as valorizações no Velho Continente está o índice francês CAC 40, que soma 1,53%, seguido do principal índice holandês, que cresce 1%. O Stoxx 600, índice de referência e que engloba as 600 empresas mais importantes da Europa, cresce 0,88%.

Na bolsa de Lisboa, os títulos do BCP e da Galp Energia são os que mais impulsionam a negociação. O BCP valoriza 1,46% para 4,87 cêntimos, o BPI avança 2,60% para 1,144 euros. Já o Banif tomba 35,71% para os 0,0009 euros depois de ter já afundado nesta sessão 56,36% para 0,0006 euros, o que representa um novo mínimo histórico. A marcar a negociação dos títulos do Banif estão as notícias que surgiram este domingo e que apontavam que o Governo estava preparado para intervir no banco. Entretanto, o ministério das Finanças anunciou esta madrugada que "decorre um processo de venda" da posição do Estado no banco. Em comunicado, o Banif "desmentiu categoricamente" a notícia que estava a ser preparada uma intervenção na instituição.

Para Steven Santos, gestor do BiG, numa nota enviada às redacções, as "diferenças significativas de dimensão e solidez" são o motivo pelo qual "o mercado não está a penalizar a restante banca nacional".

No sector energético, a Galp Energia ganha 0,78% para 9,815 euros, isto apesar da queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, que serve de referência para as importações nacionais, desce 1,13% para 37,50 dólares por barril.

No grupo EDP, a casa-mãe soma 0,39% para 3,093 euros e a EDP Renováveis aprecia 0,35% para 6,536 euros. A REN sobe 0,89% para 2,725 euros.

No retalho, a Sonae avança 1,17% para 1,035 euros. A Jerónimo Martins cede 0,04% para 11,785 euros.

A Nos soma 0,80% para 7,093 euros. A Pharol desvaloriza 2,39% para 24,5 cêntimos. O Negócios avança na edição desta segunda-feira que a guerra pelos conteúdos televisivos ganhou novos contornos no último mês. A Altice ainda pode mudar as regras do jogo, com a aquisição dos direitos dos pequenos clubes e de canais de TV. Isto depois de a Nos, no passado dia 2 de Dezembro, ter fechado um acordo com Benfica para direitos televisivos por 400 milhões de euros.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI