Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa portuguesa em mínimos de dois meses lidera quedas na Europa

Os títulos da energia (em particular os da Galp) e do BCP estão entre os que mais condicionam a prestação do principal índice nacional, que acompanha a trajectória de quedas na Europa marcadas pelo tombo dos papéis do Deutche Bank.

A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes paulozgomes@negocios.pt 16 de Setembro de 2016 às 10:33

A praça portuguesa regista a sexta sessão de quedas das últimas dez, pressionada pelos títulos da Galp e do BCP e a liderar as perdas na Europa, onde as negociações estão a ser marcadas pelos fortes recuos do Deutsche Bank depois de uma multa recorde nos EUA.

 

O PSI-20 perde 1,35% para 4.493,04 pontos, em mínimos de dois meses, com os papéis da Galp a afundarem 4,55% depois da redução de posição do maior accionista, Américo Amorim, concluída esta quinta-feira.

 

Com perdas da mesma magnitude está a construtora Mota-Engil, que tomba 4,15% para 1,615 euros, em mínimos de dois meses, depois de ontem o presidente António Mota ter afirmado que é preciso investimento público no sector da construção, mas que ainda não tem confiança para investir em Portugal.

 

A empresa é, no índice, uma das expostas a mercados com grande dependência de petróleo, numa altura em que o preço do ouro negro cai 1,03% para 46,11 dólares em Londres, perante especulação de aumento de excesso de oferta no mercado internacional. Em Nova Iorque o West Texas Intermediate cai 0,9%.

 

Entre os recuos na praça portuguesa estão ainda a EDP Renováveis e o BCP. O banco liderado por Nuno Amado cai 1,67% para 0,0177 euros, em mínimos de 11 de Julho depois de o conselho de administração ter aprovado na quarta-feira a entrada da Fosun no capital da instituição - um acordo que quer fechar até ao fim deste mês e que o Sabadell diz ser positivo -, enquanto o BPI é o título que mais sobe no índice, ao avançae 1,95% para 1,045 euros.

 

Performances mistas no sector financeiro, que no entando lidera as quedas no resto das praças europeias. A marcar a banca está o tombo superior a 8% das acções do alemão Deutsche Bank, que foi notificado pelo Departamento de Justiça norte-americano para pagar uma multa de 12,4 mil milhões de euros, montante que não tenciona pagar.

A nível doméstico também uma das componentes que condicionam o financiamento da banca no mercado - os juros da dívida soberana em mercado secundário – se destaca, com as "yields" a agravarem em contraciclo com os pares da periferia do euro.

 

O risco da dívida (diferencial entre as "yields" a que negoceiam as obrigações a dez anos de Portugal e da Alemanha) está em máximos de sete meses, depois de esta quinta-feira também já ter disparado, perante avisos do Conselho de Finanças Públicas sobre o modelo de crescimento económico do Governo, a sua revisão em alta da meta para o défice e um pior cenário para o PIB no final do ano.

 

Os agravamentos nos juros – que estão nos 3,49% - ocorrem ainda no dia em que a agência de notação S&P tem previsto pronunciar-se sobre o rating da dívida soberana portuguesa.

(Notícia actualizada às 10:44 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Galp BCP Europa Deutsche Bank Américo Amorim Mota-Engil EDP Renováveis Nuno Amado BPI mercado e câmbios economia negócios e finanças Governo bolsa
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio