Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA caem pressionadas por dados económicos na Zona Euro e Fed

Os principais índices bolsistas dos EUA desvalorizaram, pressionados por receios em torno da recuperação da economia da Zona Euro e do corte de estímulos por parte da Fed.

Bloomberg
Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 12 de Setembro de 2013 às 21:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Dow Jones recuou 0,17% para 15.300,64 pontos, o Nasdaq cedeu 0,24% para 3.715,968 pontos e o S&P500 depreciou 0,34% para 1.683,42 pontos.

 

A penalizar os mercados estiveram essencialmente dois factores. Por um lado os dados económicos da Zona Euro não dão sinais de uma recuperação sustentável da economia. Por outro, os investidores continuam a reflectir na negociação os receios em torno da retirada de estímulos económicos. A Reserva Federal (Fed) dos EUA vai voltar a reunir-se nos próximos dias 17 e 18 de Setembro e os investidores receiam que sejam anunciados cortes no programa de compra de obrigações, actualmente de 85 mil milhões de dólares por mês.

 

Os preços da prata e do ouro registaram quedas superiores a 3%, depois de ter sido revelado que a produção industrial na Zona Euro contraiu, em Julho, mais do que o estimado pelos analistas, o que aumenta os receios de que a região não esteja a conseguir recuperar efectivamente da crise.

 

Este comportamento das matérias-primas levou a uma descida das empresas expostas a este sector. A Barrick Gold, a maior mineira da área de ouro, desceu 5,53% para 17,61 dólares e a Newmont Mining caiu 4,18% para 28,23 dólares.

 

A Lululemon Athletica, empresa de artigos especializados no yoga, desceu 5,40% para 65,29 dólares depois de ter revisto em baixa as suas estimativas de resultados. A empresa prevê que os lucros se situem, no máximo, nos 1,97 dólares, o que compara com o máximo de 2,01 dólares estimado anteriormente. Os analistas previam que os lucros se situassem nos 1,99 dólares.

 

Do lado oposto esteve a Walt Disney, que subiu 2,42% para 65,49 dólares, depois de ter revelado um plano de recompra de acções no montante até oito mil milhões de dólares no próximo ano.

Ver comentários
Saber mais bolsas EUA Wall Street Dow Jones Nasdaq S&P500
Mais lidas
Outras Notícias