Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA seguem a apreciar impulsionadas por tecnológicas

As bolsas dos EUA valorizavam após um dia de encerramento devido a feriado, impulsionadas pela apreciação dos títulos do sector tecnológico, nomeadamente dos títulos da Apple Computer. O Dow Jones ganhava 0,11% e o Nasdaq somava 0,22%.

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 26 de Novembro de 2004 às 15:01

As bolsas dos EUA valorizavam após um dia de encerramento devido a feriado, impulsionadas pela apreciação dos títulos do sector tecnológico, nomeadamente dos títulos da Apple Computer. O Dow Jones ganhava 0,11% e o Nasdaq somava 0,22%.

O Dow Jones ganhava 0,11%, para 10.532,28 pontos, enquanto o Nasdaq apreciava 0,22%, para 2.107,09 pontos. Depois da celebração do Dia de Acção de Graças nos EUA, que causou ontem o encerramento dos mercados de capitais e de matérias-primas localizados naquele país, as praças irão encerrar hoje mais cedo, perto das 18h de Lisboa.

A Apple Computer avançava 1,20%, para 64,82 dólares (48,93 euros). A companhia irá apresentar aumentos dos lucros trimestrais em Janeiro próximo, de acordo com a estimativa da Thomson Financial.

A Microsoft avançava 0,53%, para 26,78 euros (20,21 euros) enquanto a Dell apreciava 0,10%, para 40,80 dólares (30,80 euros).

A Oracle recuava 1,02%, para 12,66 dólares (9,55 euros). A companhia nomeou novos directores para a administração da PeopleSoft para obter apoio na sua tentativa de compra da segunda, que já dura há 17 meses. As acções da PeopleSoft seguiam inalteradas, para 23,52 dólares (17,75 euros).

A Delta Air Lines apreciava 2,01%, para 7,12 dólares (5,37 euros), depois da terceira maior companhia aérea dos EUA ter comunicado que irá emitir 4,35 milhões de acções a credores em troca de cortes no valor de 57 milhões de dólares, entre 2005 e 2009.

A cadeia de lojas de artigos de luxo Sacks somava 4,06%, para 14,35 dólares (10,83 euros), depois da «BusinessWeek» ter defendido que as acções da companhia são atractivas, tendo em conta a carteira imobiliária que detém, avaliada em 3,3 mil milhões de dólares (2,49 mil milhões de euros).

Outras Notícias
Publicidade
C•Studio