Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA sobem mais de 1%

Os principais índices norte-americanos sobem mais de 1%, a beneficiar da valorização dos metais e dos preços do petróleo, que estão a impulsionar as indústrias relacionadas com estas matérias-primas.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 31 de Março de 2009 às 15:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
Os principais índices norte-americanos sobem mais de 1%, a beneficiar da valorização dos metais e dos preços do petróleo, que estão a impulsionar as indústrias relacionadas com estas matérias-primas.

O Dow Jones sobe 1,05% para 7.601,03 pontos, o Nasdaq cresce 1,59% para 1.525,74 pontos e o S&P500 avança 1,03% para 7950,65 pontos.

Os preços do petróleo e dos metais estão hoje em alta, o que está a animar a negociação das indústrias relacionadas com estas matéria-primas

A Alcoa, produtora de alumínio, sobe mais de 4,5% para os 7,01 dólares, a petrolífera Chevron ganha 1% para os 67,46 dólares e a Freeport-McMoran ganha 1,7%.

O sector financeiro também está a contribuir para a subida dos índices, com o Citigroup a avançar mais de 8% para os 2,50 dólares, a AIG avança mais de 4% para os 0,990 dólares e o JPMorgan cresce 2m86% para os 25,56 dólares.

Esta tarde foram ainda divulgados dados económicos relacionados com os preços dos imóveis nos EUA e com a confiança dos consumidores.

O preço das casas em 20 cidades norte-americanas caiu 19% em Janeiro, a maior redução desde que há registos. A diminuição da procura, as dificuldades em recorrer ao crédito e o aumento das habitações hipotecadas foram os principais factores a penalizar o índice de preços.

A queda de 19%, em termos homólogos, do índice S&P/Case-Shiller, em Janeiro, foi superior ao esperado e segue-se a uma redução de 18,6% em Dezembro, segundo a Bloomberg.

A confiança dos consumidores norte-americanos aumentou, em Março, permanecendo, no entanto, perto de níveis mínimos recorde.

O índice, elaborado pelo Conference Board, avançou para 26 pontos este mês, contra 25,3 pontos, em Fevereiro, leitura mais baixa desde que os dados começaram a ser recolhidos em 1967.

Ver comentários
Outras Notícias