Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas europeias encerram em queda mas DAX recupera com índices americanos

As Bolsas na Europa fecharam em queda, e a praça de Amesterdão foi a mais penalizada, com o AEX a retrair 4,33%. Rumores sobre o paradeiro de Osama bin Laden ajudavam os índices americanos a inverterem tendência de queda.

Pedro Carvalho pc@mediafin.pt 07 de Março de 2003 às 17:48
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
As Bolsas na Europa fecharam em queda, e a praça de Amesterdão foi a mais penalizada, com o AEX a retrair 4,33%. Rumores sobre o paradeiro de Osama bin Laden ajudavam os índices americanos a inverterem tendência de queda.

As praças da Europa fecharam em queda, e o Dow Jones Stoxx 50 caía 2,32% nos 2.035,65 pontos. Notícias que davam conta do paradeiro de Osama bin Laden junto à fronteira do Paquistão, avançadas pela ABC News, ajudavam os índices americanos a inverterem a tendência de queda, numa altura em que o Dow Jones [INDU] avançava 0,78%.

O DAX [DAX] que ainda negoceia, seguia a tendência americana, com o índice a somar 1,23 para 2.467,57 pontos, com a Infineon Technologies a recuperar 32,5% e a Deutsche Telekom a valorizar 2,9%.

Em Paris, o CAC 40 [CAC] depreciou 2,26% para 2.574,91 pontos, com a empresa de media Vivendi Universal a afundar 7,5%, após ter apresentando os maiores prejuízos na história empresarial gaulesa. A ST Microelectronics caiu 3,1%, depois da Intel ter revisto em baixa as estimativas de receitas para o primeiro trimestre.

Na Bolsa de Amesterdão, o AEX perdeu 4,33% para 236,20 pontos, e a Philips, o terceira maior fabricante de «chips» da Europa, desceu 4,24%. A Aegon afundou 14%, depois da JP Morgan ter baixado o preço alvo da instituição seguradora.

O FTSE 100 [UKX] de Londres depreciou 1,79% para 3.491,60 pontos, com o Lloyds a descer 4,2% e o Abbey National a regredir 2,8%, depois da Standard & Poors ter «ameaçado» cortar o «rating» dos bancos britânicos.

Em Madrid, o IBEX 35 [IBEX] escorregou 1,73% para 5.716,86 pontos, pressionado pelo Santander Central Hispano (SCH) e pelo Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) que decresceram ambos 3,2%.

Ver comentários
Outras Notícias