Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas europeias sobem impulsionadas pelo sector financeiro

As praças europeias encerraram a sessão de hoje impulsionadas pelo sector bancário com os investidores a acreditarem que os prejuízos resultantes da crise de crédito de alto risco podem já ter atingido o seu máximo. Também o sector energético impulsionou

Lara Rosa lararosa@negocios.pt 28 de Abril de 2008 às 17:52
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As praças europeias encerraram a sessão de hoje impulsionadas pelo sector bancário com os investidores a acreditarem que os prejuízos resultantes da crise de crédito de alto risco podem já ter atingido o seu máximo. Também o sector energético impulsionou as bolsas do Velho Continente depois do petróleo ter atingido um novo máximo.

O índice pan-europeu Stoxx 50 encerrou a sessão de hoje a valorizar 0,58% para os 3.229,19 pontos.

Em Espanha, o IBEX foi o índice que mais valorizou entre as principais praças europeias, ao ganhar 0,76% para os 13.877,80 pontos, seguido do índice francês CAC 40, que avançou 0,69% para os 5.012,75 pontos.

O alemão DAX encerrou nos 6.925,33 pontos ao ganhar 0,42% e o Footsie inglês foi o único que encerrou a desvalorizar entre as principais praças europeias, ao perder 0,02% para os 6.090,40 pontos.

A JP Morgan Chase revelou um relatório em que afirma que a pior fase de amortização de activos por parte dos bancos pode já passado, acrescentando que os bancos europeus, excluindo os do Reino Unido, vão amortizar mais 6,8 mil milhões de euros de activos. Estes valores são inferiores aos 8,3 mil milhões de euros que tinham sido estimados previamente.

Com estes dados o Credit Suisse Group valorizou 2,67% para os 57,6 francos suíços e o Commerzbank, o segundo maior banco alemão, avançou 3,25% para os 23,86 euros.

O Royal Bank of Scotland valorizou 1,58% para as 354,5 libras, depois de hoje ter sido divulgado que o banco deverá cortar cerca de 7 mil postos de trabalho devido à integração da unidade de investimento do ABN Amro, adquirida em parceria com o Fortis e o Santander, e às perdas relacionadas com a crise no mercado de crédito de alto risco, de acordo com duas pessoas com conhecimento deste plano.

Outras Notícias