Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas europeias sobem pela quinta sessão consecutiva impulsionadas pela banca

As bolsas europeias seguiam a subir, pela quinta sessão consecutiva, impulsionadas pela banca num dia em que também as empresas mineiras valorizavam depois da China ter divulgado que a sua produção industrial aumentou para um valor recorde no mês passado.

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 15 de Junho de 2005 às 11:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As bolsas europeias seguiam a subir, pela quinta sessão consecutiva, impulsionadas pela banca num dia em que também as empresas mineiras valorizavam depois da China ter divulgado que a sua produção industrial aumentou para um valor recorde no mês passado. O Dow Jones Stoxx 50 avançava 0,17% para os 3.031,27 pontos.

O IBEX subia 0,05% para os 9.619,60 pontos com o contributo do Santander, que subia 0,32% para os 9,46 euros, depois do Deutsche Bank ter melhorado o preço alvo do banco. A Telefónica somava 0,22% para os 13,80 euros.

O CAC francês apreciava 0,12% para os 4.212,65 pontos, impulsionado pelo BNP Paribas, que avançava 1,26% para os 56,4 euros, e pela Societe Generale que seguia com ganhos de 1,02% para os 83,85 euros.

O FTSE subia 0,12 % para os 5.053,10 pontos. As empresas que mais contribuíam para a tendência deste índice eram a Vodafone  e o Royal Bank of Scotland que somavam 0,92% para os 136,5 pence e 0,78% para os 1683 pence, respectivamente.

Na Alemanha o DAX avançava 0,27 % para os 4.604,27 pontos impulsionado pelo Hypovereinsbank. O banco que está a ser alvo de uma aquisição do Unicredito seguia em máximo de três anos com uma valorização de 1,94% para os 21 euros. A Allianz também contribuía para a tendência deste índice com uma subida de 0,57% para os 97,35 euros.

O AEX apreciava 0,16 % para os 378,30 pontos com o contributo das subidas de 2,80% para os 19,81 euros e de 0,88% para os 23,03 euros do ABN Amro e do ING Groep, respectivamente. A Royal Philips caia 4,31% depois de ter afirmado que a empresa está ser penalizada pelo abrandamento no consumo.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias