Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Eni vende 4% da Galp por 325 milhões de euros

A Eni já concluiu a venda do restante capital que detinha da petrolífera nacional. Vendeu por 9,81 euros por acção. As acções da Galp estão a deslizar mais de 5%.

1039 – Galp Energia – A petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva surge na posição 1.039 da lista, sendo a segunda maior cotada portuguesa. Perdeu 195 posições face ao “ranking” de 2014.
Bloomberg
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A italiana Eni já saiu definitivamente do capital da Galp Energia, tendo vendido os restantes 4% que ainda tinha na petrolífera nacional, emitido esta sexta-feira, 20 de Novembro, para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Eni vendeu a posição por cerca de 325 milhões de euros, ou 9,81 euros por cada acção, o que corresponde a um desconto de 2,5% face à cotação de fecho das acções da Galp na sessão de quinta-feira, o que coloca pressão sobre os títulos, que estão a deslizar quase 5% para 9,571 euros.

"O processo de accelerated bookbuilding foi dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados", explica o comunicado, tendo a Eni mandatado "a Goldman Sachs International e a Merrill Lynch International para actuar na qualidade de 'joint bookrunners' da venda".


Com a venda destas acções a Eni põe fim a uma relação de cerca de 10 anos. Recorde-se que a italiana chegou a ter mais de 30% do capital da petrolífera nacional. "A totalidade da participação accionista de 33,34% inicialmente detida pela Eni na Galp foi, assim, alienada através de várias transacções realizadas desde 2012, por um preço total de 3.283 milhões de euros", acrescenta o comunicado tornado público hoje. 


A potencial venda desta parcela do capital da Galp era apontada pela generalidade dos analistas como um factor de pressão, já que a Eni detinha esta última parcela do capital da petrolífera portuguesa através de obrigações convertíveis em acções cuja maturidade era alcançada precisamente em Novembro, desbloqueando estes títulos.

Foi em 2005, um ano antes da Galp entrar na bolsa de Lisboa, que os seus principais accionistas assinaram um acordo parassocial que colocou no papel as relações de poder na empresa, após a entrada da Amorim Energia na petrolífera. 

O acordo estabelecia que a Amorim Energia e a Eni manteriam as suas participações inalteradas durante cinco anos (com 33,34% cada um). O acordo expirou no final de 2010 e dois anos depois a Amorim Energia (agora com 38,34% do capital) e a Eni chegavam a acordo para a energética italiana anunciar o processo de saída da petrolífera portuguesa.

Uma das maiores operações de venda de capital da Galp pela Eni teve lugar em Maio de 2013, quando a italiana angariou 678 milhões de euros com a venda de 6,7% do capital.

Mais tarde, em Março de 2014, a Eni encaixou 700 milhões de euros com a venda de 7% da Galp.  A penúltima operação de venda de capital teve lugar no início de Outubro quando reduziu a sua participação para 5%.

A receita gerada com a vendas desta acções será utilizada para "finalidades societárias gerais".

(Notícia actualizada às 08:40 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Galp Energia Eni petrolífera
Outras Notícias