Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Europa em queda generalizada com receios de abrandamento económico

As principais praças europeias negociavam todas em queda pressionadas pelos receios de abrandamento económico na região. O sector da banca era o que mais penalizava os índices. Londres, Paris e Amsterdão destacavam-se com uma descida de mais de 1%.

Maria João Soares mjsoares@negocios.pt 04 de Dezembro de 2007 às 11:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As principais praças europeias negociavam todas em queda pressionadas pelos receios de abrandamento económico na região. O sector da banca era o que mais penalizava os índices. Londres, Paris e Amsterdão destacavam-se com uma descida de mais de 1%.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos disse ontem que o crescimento económico na Zona Euro pode ficar abaixo dos 2% em 2008, pela primeira vez em três anos. As previsões da Comissão Europeia divulgadas há um mês apontavam para um crescimento do PIB de 2,2% e traduziam já uma forte revisão em baixa face aos 2,6% inicialmente previstos para 2008.

O mercado receia que o abrandamento económico prejudique os resultados das empresas cotadas e este sentimento está hoje a afectar negativamente a negociação nas bolsas.

O índice britânico FTSE [ukx] descia 1,09%, o CAC [cac] caía 1,02% e o AEX [aex] em Amsterdão desvalorizava 1,15%.

O sector da banca era o que mais pressionava os três índices. Em Londres, o Royal Bank of Scotland descia 3,34% para 448,25 pence e o Barclays perdia 4,19% para 537,5 pence.

Em Paris, o BNP Paribas desvalorizava 2,16% para 73,69 euros. A Air France, maior companhia aérea da Europa, descia 1,7% para 23,27 euros.

Em Amsterdão, o ING caia 1,67% para 25,85 euros.

O IBEX [ibex ] e o alemão DAX negociavam em queda mais ligeira a perder 0,30% e 0,22%, respectivamente.

O Santander e o BBVA são os títulos que mais pressionam o índice espanhol. O Banco Santander descia 0,62% para 14,54 euros e o Banco Bilbao Vizcaya caía 0,89% para 16,78 euros.

Em Frankfurt, o Deutsche Bank descia 2,19% para 87,40 euros.

Mais lidas
Outras Notícias