Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fed, tarifas e petróleo: o trio que deixou Wall Street nos píncaros

As bolsas norte-americanas encerraram em alta, no dia em que os três grandes índices de Wall Street marcaram novos máximos históricos. Muito à conta das declarações do presidente da Fed, mas não só. Deu-se uma tempestade perfeita de fatores positivos e os investidores, depois de muita prudência nos primeiros dias da semana, deixaram-se embalar pelo otimismo.

Reuters
Carla Pedro cpedro@negocios.pt 10 de Julho de 2019 às 21:08
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Dow Jones fechou a somar 0,29% para 26.860,20 pontos, tendo durante a sessão marcado um novo máximo histórico nos 26.983,45 pontos.

 

Também o Standard & Poor’s 500 atingiu o valor mais elevado de sempre, ao tocar nos 3.002,98 pontos, tendo depois encerrado a ganhar 0,45% para 2.993,07 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite avançou 0,75%, para 8.202,53 pontos, tendo na negociação intradiária entrado em terreno nunca antes explorado, ao alcançar os 8.228,60 pontos.

 

Hoje o presidente da Fed, Jerome Powell, falou perante o Comité de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes (que, com o Senado, compõe o Congresso) e reiterou que a incerteza económica é elevada e que a Fed vai atuar de forma apropriada.

 

As palavras de Powell foram recebidas como um sinal de que os juros do outro lado do Atlântico vão descer, o que levou as bolsas dos EUA a atingirem de imediato novos máximos históricos.

 

E este não foi o único impulso dado hoje pela Fed. Ao final da tarde (19:00 em Lisboa) foram divulgadas as atas da última reunião da Reserva Federal dos EUA, que mostraram que os responsáveis do banco central deixaram de referir a ‘abordagem paciente’’ relativamente a uma mexida nas taxas de juro, considerando haver agora mais motivos para uma redução da taxa diretora.

 

Mas houve mais. Na frente comercial, esta madrugada a Administração Trump anunciou o levantamento das tarifas que os EUA tinham imposto sobre 110 produtos chineses, nomeadamente equipamento médico e dispositivos eletrónicos, sobre os quais pendiam taxas de 25% desde 6 de julho do ano passado.

 

Embora o valor destes bens se situe apenas em 34.000 milhões de dólares, o gesto foi significativo, pois constitui uma das primeiras medidas depois das tréguas acordadas entre Donald Trump e Xi Jinping à margem da cimeira do G20 no final de junho em Osaka (Japão).

 

Neste sentido, altos representantes comerciais dos EUA e da China voltaram a manter conversações telefónicas "construtivas", reconheceu o principal assessor económico da Casa Branca, Larry Kudlow.

 

Esta diminuição de tensões entre Washington e Pequim esteve, assim, a animar também os investidores.

 

Por último, os preços do petróleo dispararam nos principais mercados internacionais, animados pela forte diminuição dos inventários norte-americanos e também pelas tensões com o Irão e por uma tempestade no Golfo do México.

 

Esta valorização do "ouro negro" contribuiu para sustentar as cotadas da energia, em especial do setor petrolífero.

Ver comentários
Saber mais Wall Street Standard & Poor's 500 Nasdaq Composite Dow Jones bolsa EUA
Mais lidas
Outras Notícias