Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ganhos superiores a 3% do BCP e BES levam bolsa a subir 1,66%

A bolsa nacional fechou a subir mais de 1,5%, acompanhando o entusiasmo que marcou o resto das praças europeias. A contribuir para a subida dos índices europeus está a divulgação de um dado económico na China, num dia em que os mercados bolsistas dos EUA estão encerrados. BES e BCP avançaram mais de 3% e ajudaram a impulsionar o índice.

A carregar o vídeo ...
Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 02 de Setembro de 2013 às 16:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 19
  • ...

O PSI-20 subiu 1,66% para 5.904,35 pontos, com 15 acções a subir, quatro a cair e uma inalterada. Entre os congéneres europeus os ganhos foram igualmente superiores a 1,5% na maior parte dos casos. Os investidores reflectiram nos índices a divulgação de um dado económico chinês. O indicador de actividade industrial da China aumentou, em Agosto, para 51 pontos, superando a estimativa dos economistas consultados pela Bloomberg que apontavam para um aumento de 50,3 pontos, em Julho, para 50,6, no mês em análise.

 

Na bolsa nacional foi a banca que mais sustentou o índice, com o BCP a ganhar 3,12% para 9,9 cêntimos e o BES a avançar 3,90% para 82,5 cêntimos. O BPI também contribuiu para a subida, ao avançar 1,08% para 93,6 cêntimos. Já o Banif fechou estável nos 1,1 cêntimos enquanto o ESFG perdeu 0,19% para 5,25 euros.

 

Na banca, realce para o BCP, no dia em que se soube que Bruxelas deu a aprovação final ao plano de reestruturação do banco, que vai desinvestir em actividades “não-core”, como o futebol e o crédito para compra de acções, ficando ainda obrigado a vender as operações na Roménia e a participação no banco grego. O corte de custos com pessoal atinge 25%, mas parte já foi conseguido.

 

A banca está assim a aliviar parte das perdas acentuadas registadas na sexta-feira, com o mercado a reflectir o chumbo do Tribunal Constitucional do diploma de requalificação da Função Pública. Na sexta-feira, os juros implícitos nas obrigações nacionais subiram, registando inclusivamente o maior aumento desde a crise política despoletada pelo pedido de demissão de Paulo Portas.

 

Mas não foi apenas a banca a registar ganhos significativos. As subidas foram generalizadas, com 11 cotadas a ganharem mais de 1%.

 

No sector das telecomunicações, a Portugal Telecom apreciou 1,61% para 2,903 euros. Já a Zon apreciou 1,13% para 4,21 euros e a Sonaecom avançou 1,62% para 1,819 euros, numa altura em que a Zon e a Optimus estão a ultimar a fusão.

 

Na energia, a Galp avançou 1,69% para 2,903 euros, a EDP Renováveis apreciou 1,61% para 3,853 euros e a EDP subiu 0,90% para 2,698 euros, no dia em que o Bank of America/Merrill Lynch (BofA) emitiu uma nota de investimento para as “utilities” da Península Ibérica, reiterando a sua preferência pela portuguesa EDP. A “eléctrica continua a ser uma história sólida”, consideram os analistas que suportam esta análise no processo de desalavancagem da empresa e no crescimento operacional impulsionado pela divisão eólica, pelo Brasil e pelos novos projectos hidráulicos em Portugal. O BofA recomenda “comprar” as acções da empresa, tendo revisto em alta a avaliação dos títulos para 3,05 euros face aos anteriores 2,80 euros.

 

(Notícia actualizada às 17h00 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais BES BCP bolsa PSI-20 Euronext
Outras Notícias