Bolsa No campeonato da bolsa, Benfica arrasa rival de Alvalade

No campeonato da bolsa, Benfica arrasa rival de Alvalade

O "derby" deste sábado entre Benfica e Sporting é um dos mais decisivos dos últimos anos. Na Liga, é o clube verde e branco quem vai à frente, mas na bolsa as águias levam a melhor.
No campeonato da bolsa, Benfica arrasa rival de Alvalade
Raquel Godinho 05 de março de 2016 às 10:30

À entrada para a 25.ª jornada da Liga Nos, o Sporting Clube de Portugal é líder com 59 pontos. Recebe, este sábado, o clube em segundo lugar, o Sport Lisboa e Benfica, que consegue 58 pontos. Mas se na Liga a diferença é de apenas um ponto, no mercado de capitais a diferença é mais expressiva e é o clube encarnado que vai à frente.


Desde que o campeonato de futebol começou, em meados de Agosto, a SAD do Benfica valoriza mais de 35%. É o terceiro clube que mais sobe na Europa e também a terceira acção que mais aprecia na bolsa nacional (apenas superado pela Sonae Capital e pela F. Ramada), no mesmo período.

Já a SAD leonina acumula uma desvalorização de 21,8%, desde o arranque da Liga Nos. Cai mesmo mais do que a SAD do Futebol Clube do Porto que desce 20,6%. Sporting e Porto são o quinto e sexto clubes que mais recuam no índice europeu composto por 22 clubes.


Se o período de análise for diferente, isto é, se for considerada a variação das acções desde o início de 2016, a conclusão é semelhante. A SAD liderada por Luís Filipe Vieira aprecia 10,58% este ano, enquanto a SAD conduzida por Bruno de Carvalho desvaloriza mais de 28%.



Tanto na época como este ano, o Benfica tem um desempenho superior ao rival de Alvalade na bolsa, algo que também acontece quando se olha para as contas que as SAD portuguesas publicaram na semana passada. As contas do primeiro semestre fiscal, que vai de Junho a Dezembro, revelam que só as "águias" ficaram no "verde". Teve lucros de 5,03 milhões de euros, menos 62% do que no mesmo período do ano anterior.

O Sporting, por seu lado, registou um prejuízo de 18,1 milhões de euros, penalizado pelo pagamento de 14,24 milhões à Doyen, depois de o clube ter perdido em tribunal o processo relativo à transferência de Marcos Rojo. O FC Porto obteve um resultado líquido negativo de 17,62 milhões de euros, um agravamento face aos 8,44 milhões reportados no período homólogo de 2014.



  




pub

Marketing Automation certified by E-GOI