Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo e empregos animam bolsas dos EUA

As principais praças norte-americanas encerraram a sessão em alta, sustentadas pela subida mais acentuada dos títulos energéticos nos últimos seis anos, depois de o petróleo subir mais de 4%. Além disso, o anúncio de um inesperado aumento dos empregos nos EUA contribuiu para a tendência positiva.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 30 de Julho de 2008 às 21:36
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
As principais praças norte-americanas encerraram a sessão em alta, sustentadas pela subida mais acentuada dos títulos energéticos nos últimos seis anos, depois de o petróleo subir mais de 4%. Além disso, o anúncio de um inesperado aumento dos empregos nos EUA contribuiu para a tendência positiva.

O Dow Jones fechou a ganhar 1,63%, fixando-se nos 11.583,69 pontos, e o S&P 500 subiu 1,67%, para 1.284,26 pontos.

O índice compósito Nasdaq valorizou 0,44%, fechando a marcar 2.329,72 pontos.

Os 39 produtores de energia listados no índice Standard & Poor’s ganharam terreno, numa sessão em que o crude negociado em Nova Iorque ganhou cerca de sete dólares face aos valores de ontem (os mais baixos desde 6 de Maio), superando os 127 dólares por barril. A forte queda nos inventários norte-americanos de gasolina, na semana passada, esteve a impulsionar o “ouro negro”.

A Wal-Mart Stores e a Walt Disney também subiram, animadas pelo relatório privado da ADP Employer Services, segundo o qual o número de empregos aumentou em 9.000 este mês nos Estados Unidos.

A Walt Disney divulgou entretanto, depois do fecho da sessão, os seus resultados do terceiro trimestre do actual exercício fiscal, anunciando lucros de 9% face ao período homólogo de 2007.

O Bank of America e o Wachovia lideraram a subida dos títulos financeiros, depois de a Reserva Federal alargar um programa de emergência de concessão de crédito e de a Securities and Exchange Comission (SEC, equivalente à CMVM em Portugal) prolongar o bloqueio sobre um determinado tipo de vendas que apostam na queda dos activos.

Ver comentários
Outras Notícias