Bolsa PSI-20 cai com BCP a registar maior ciclo de quedas em mais de 10 anos

PSI-20 cai com BCP a registar maior ciclo de quedas em mais de 10 anos

A bolsa nacional recuou pelo terceiro dia seguido numa sessão em que o BCP elevou para 10 o número de sessões consecutivas a perder valor, a mais longa série de perdas desde novembro de 2008.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 06 de agosto de 2019 às 16:44

O índice PSI-20 fechou a sessão desta terça-feira, 6 de agosto, a perder 0,37% para 4.833,38 pontos, com 11 cotadas em queda, seis em alta e uma inalterada, no terceiro dia seguido a transacionar em terreno negativo que fez o principal índice nacional renovar mínimos de 4 de janeiro. 

Tal como a bolsa nacional, também as principais praças europeias alternaram entre ganhos e perdas (o Stoxx600 chegou a renovar mínimos de 4 de junho), para estabilizarem no vermelho na última hora de negociação bolsista. O setor europeu das matérias-primas, e em particular o petrolífero, foram os que mais penalizaram.

A escalada na disputa comercial EUA-China e o receio quanto a uma espiral de medidas protecionistas capazes de acentuar os já existentes sinais que apontam para o arrefecimento da economia global continua a penalizar o sentimento dos investidores. 

Por cá, o BCP voltou a estar em destaque pela negativa. Depois de boa parte da sessão a negociar em alta, o banco liderado por Miguel Maya fechou a desvalorizar 0,18% para 0,2189 euros. Esta foi a décima queda consecutiva do banco, que já não estava tantos dias seguidos a perder valor desde que, em novembro de 2008, também completou um ciclo de 10 dias consecutivos no vermelho. Nessa altura, as instituições financeiras eram pressionadas pela falência do Lehman Brothers (em setembro desse ano).
Apesar de a 29 de julho ter reportado um aumento dos lucros, no primeiro semestre, para 169,8 milhões, o banco apresentou uma deterioração da respetiva margem financeira (diferença entre juros recebidos e juros cobrados). Esta realidade pode tornar-se ainda mais gravosa para a instituição numa conjuntura de descidas dos juros por parte dos bancos centrais. O Banco Central Europeu (BCE) admitu, em julho, a possibilidade de em setembro baixar a taxa de juro dos depósitos, que está em -0,4%.


Também a pressionar esteve a Galp Energia, que deslizou 1,65% para 13,085 euros. A petrolífera recuou pela quarta sessão seguida e negociou na cotação mais baixa desde 19 de junho. As restantes cotadas do setor energético também caíram, com a REN a resvalar 1,60% para 2,46 euros, a EDP a cair 0,43% para 3,277 euros e a EDP Renováveis a desvalorizar 0,32% para 9,29 euros. 

Nota negativa também para a Sonae Capital que perdeu 1,36% para 0,651 euros num dia em que transacionou em mínimos de setembro de 2016.

Já a impedir uma maior queda da bolsa nacional esteve o setor do retalho, com a Jerónimo Martins a somar 1,11% para 14,145 euros e a Sonae a ganhar 0,62% para 0,8145 euros. 

(Notícia em atualizada às 16:53)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI