Bolsa PSI-20 interrompe ciclo de quatro dias em queda e sobe apoiado pela Sonae

PSI-20 interrompe ciclo de quatro dias em queda e sobe apoiado pela Sonae

Depois de quatro sessões seguidas no vermelho, a bolsa lisboeta negociou em terreno positivo em especial apoiada pelos ganhos da Sonae que somou mais de 5% após o anúncio da fusão da Sport Zone com a JD Sports na Península Ibérica.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 09 de março de 2017 às 16:40

O PSI-20 encerrou a sessão desta quinta-feira, 9 de Março, a ganhar 0,20% para 4.639,26 pontos, com nove cotadas a negociar em alta, seis em queda e duas inalteradas, num dia em que a praça lisboeta interrompeu uma série de quatro sessões seguidas a desvalorizar.

 

O principal índice nacional seguiu a tendência verificada na generalidade das principais praças europeias que, depois de um início de dia em queda, inverteram para fecharem a sessão no verde.

 

A impulsionar esteve a banca europeia que beneficiou das declarações realizadas por Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE), que considera que os riscos que pendem sobre as economias da Zona Euro são agora menos pronunciados. Mas apesar do optimismo demonstrado pelo líder do BCE, Draghi afirmou que a Zona Euro continua a necessitar de "estímulos muito substanciais"

No plano nacional o destaque coube à Sonae que ganhou 5,10% para 0,866 euros, no dia em que foi confirmada a fusão da Sport Zone com a JD Sports na Península Ibérica. Esta fusão é vista com bons olhos pelos analistas, com o BPI a antecipar que a posição que a Sonae deterá na nova empresa permitirá atingir um lucro anual de "6 a 7 milhões de euros em velocidade cruzeiro". Já o Haitong considera a operação "muito positiva" para a Sonae. 

Ainda no sector do retalho, a Jerónimo Martins perdeu 0,94% para 15,735 euros no dia em que os analistas do BPI reduziram o preço-alvo da retalhista de 17 euros para 16,40 euros, corte que serviu para acomodar um capex mais elevado (na Polónia e Colômbia) e uma margem menor na Polónia.

Também em alta transaccionou o BCP, que apreciou 2,19% para 0,1585 euros no dia seguinte à casa de investimento espanhola JB Capital Markets ter considerado que o preço das acções do banco liderado por Nuno Amado está "demasiado barato" tendo em conta os riscos da instituição. 

Também em alta esteve a Nos, que avançou 1,12% para 5,137 euros, e os CTT, que cresceram 0,44% para 5,011 no dia em que os correios nacionais apresentam resultados

Nota positiva ainda para a Corticeira Amorim que somou 1,02% para 9,93 euros numa sessão em que, ao negociar nos 9,95 euros, estabeleceu um novo máximo histórico. 


A travar uma valorização mais acentuada da bolsa nacional esteve a Galp Energia que desvalorizou 1,80% para 13,65 euros numa altura em que o preço do petróleo continua em queda, estando mesmo a negociar em mínimos de três meses. Em Londres, o Brent do Mar do Norte, que serve como valor de referência para as importações nacionais, segue a cair 2,11% para 51,99 dólares por barril. 

Continuando no sector energético, o grupo EDP negociou sem tendência definida, com a EDP a apreciar 0,60% para 2,841 euros e a EDP Renováveis a deslizar 0,15% para 6,186 euros. 

(Notícia actualizada às 16:50)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI