Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PSI-20 cai mais de 2,5% e renova mínimos de 1996

Foi mais um dia de fortes perdas na bolsa nacional, com o principal índice a negociar em mínimos de Outubro de 1996. Dos 20 títulos que compõem o índice, 11 caíram mais de 2% e cinco atingiram mínimos. A banca e a energia foram dos mais penalizados.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 17 de Maio de 2012 às 16:44
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...
O PSI-20 recuou 2,66% para 4.759,94 pontos, com 19 acções em queda e uma a subir. O índice negociou assim no valor mais baixo desde Outubro de 1996, com cinco acções que compõem o índice a atingir novos mínimos de, pelo menos 2003. Dos 20 títulos que compõem o índice, 11 desvalorizaram mais de 2%.

Esta foi a quinta sessão consecutiva de perdas superiores a 1% na bolsa nacional, com os receios relativos à Grécia a penalizarem fortemente a negociação bolsista. No resto da Europa a tendência também foi de perdas generalizadas, com os índices a descerem na maior parte dos casos mais de 1%.

A penalizar continua a situação grega, com as perspectivas dos investidores a deteriorarem-se depois de ter sido revelado que o BCE suspendeu as operações de financiamento a alguns bancos gregos por estes não se encontrarem solventes.

A penalizar esteve também o leilão de dívida espanhola. O Tesouro espanhol vendeu 2,49 mil milhões de euros de obrigações, em linha com o montante máximo de 2,5 mil milhões de euros, mas os custos dispararam.

Por cá, foi a EDP a acção que mais penalizou o índice, ao perder 5,06% para 1,82 euros, tendo tocado no valor mais baixo desde Abril de 2003 ao negociar nos 1,808 euros. A forte queda aconteceu no dia em que o Governo anunciou um conjunto de medidas para reduzir a remuneração dos produtores de electricidade e assim baixar os custos do sistema eléctrico que são imputados aos consumidores. O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, indicou que anualmente haverá uma redução de custos entre 170 e 190 milhões de euros.

A EDP Renováveis também desvalorizou 6,39% para 3,03 euros, tendo tocado nos 3,00 euros, o que corresponde ao valor mais baixo de sempre. A Galp Energia cedeu 3,08% para 10,06 euros.

Em mínimos históricos esteve também o BES, que cedeu 9,40% para 0,482 euros, bem como o BPI, que recuou 3,14% para 0,37 euros. O BCP cedeu 1% para 0,099 euros. O ESFG foi o único a contrariar a tendência ao subir 0,78% para 5,19 euros.

O banco liderado por Ricardo Salgado tem vindo a acentuar a tendência negativa desde foram admitidas à negociação as acções do aumento de capital e desde que apresentou os resultados do primeiro trimestre, que ficaram abaixo do esperado. O dia foi ainda marcado pela publicação, em Diário da República, da portaria que regula os planos de recapitalização da banca com recurso a dinheiros públicos.

Em mínimos esteve também a Sonae Indústria, que recuou 6,19% para 0,47 euros.

A Portugal Telecom, que hoje apresentou resultados do primeiro trimestre, fechou a descer 0,76% para 3,906 euros, uma queda inferior à verificada pelas suas rivais. A Zon deslizou 6,40% para 2,31 euros e a Sonaecom caiu 3,07% para 1,136 euros.

A PT baixou os lucros do primeiro trimestre para 56,5 milhões de euros, mas os resultados ficaram acima dos 39 milhões de euros esperados pelos analistas.

(Notícia actualizada às 17h05)
Ver comentários
Saber mais Bolsa PSI-20 Euronext
Mais lidas
Outras Notícias