Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Receios quanto à situação financeira do Fortis levam Europa a encerrar em queda

As principais praças europeias encerraram a sessão em queda penalizadas pela desvalorização do banco Fortis, que perdeu mais de 20%. O impasse na aprovação do plano de salvamento do sistema financeiro norte-americano e a falência do Washington Mutual também contribuíram para as quedas dos índices europeus.

Lara Rosa lararosa@negocios.pt 26 de Setembro de 2008 às 18:13
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
As principais praças europeias encerraram a sessão em queda penalizadas pela desvalorização do banco Fortis, que perdeu mais de 20%. O impasse na aprovação do plano de salvamento do sistema financeiro norte-americano e a falência do Washington Mutual também contribuíram para as quedas dos índices europeus.

O índice pan-europeu Stoxx50, que engloba as 50 maiores empresa europeias, encerrou a sessão a perder 1,44% para os 2.722,07 pontos.

Entre as principais praças europeias o índice AEX em Amesterdão, foi o mais penalizado, tendo registado uma desvalorização de 4% para os 354,58 pontos. O índice foi pressionado pelo Fortis que encerrou a sessão a registar uma queda superior a 20%, devido aos rumores de que está com dificuldades de financiamento.

Os restantes índices também foram influenciados pelo sentimento pessimista que rodeia o banco holandês com o Footsie inglês a perder 2,09% para os 5.088,47 pontos e o DAX alemão a desvalorizar 1,77% para os 6.063,50.

O CAC40 em França encerrou a sessão a cotar nos 4.163,38 pontos ao desvalorizar 1,5% e o IBEX em Espanha foi o índice menos penalizado ao perder 0,44% para os 11.387,47 pontos.

Entre o mercado Europeu as atenções estiveram voltadas para o banco holandês Fortis que perdeu mais de 20% com os investidores a questionarem a sua situação financeira. Hoje foi ainda anunciado que os clientes do ABN Amro, banco adquirido pelo Fortis no ano passado, estavam a deixar a instituição procurando outros bancos.

O presidente executivo do Fortis referiu numa conferência de imprensa que se encontrava “pasmado” com a queda dos títulos uma vez que a situação financeira do banco era “sólida”.

No entanto estas declarações não acalmaram o mercado. Os títulos encerraram a sessão a perder 20,92% para os 5,18 euros, tendo estado a desvalorizar mais de 23,6%.

O mercado europeu reflectiu os receios dos investidores no banco holandês, temendo que tal situação se verificasse também em outras instituições.

A agravar este sentimento esteve ainda o impasse do plano de salvamento do sistema financeiro norte-americano e a falência do Washington Mutual.

“Com a falência do Washington Mutual, os riscos sistemáticos voltaram” afirmou o analista Benoit de Broissia do Richelieu Finance citado numa entrevista à Bloomberg television.

O analista acrescentou ainda que “um dos elos da cadeia partiu-se por isso perguntamo-nos se a cadeia está ameaçada.”

O sector financeiro voltou a ser fortemente penalizado. O Royal Bank os Scotland, o segundo maior banco do Reino Unido, perdeu 5,7% e o Dexia, o maior banco de financiamento governamental, encerrou a sessão a desvalorizar 8,1%.

Ver comentários
Outras Notícias