Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCP com espaço para aumentar preço da OPA em mais 15%

O Banco Comercial Português (BCP), ao montar a operação de OPA sobre o BPI, deixou espaço para rever em alta a contrapartida da OPA dos 5,70 euros para os 6,50 euros, segundo as contas da JP Morgan. Este valor, seria imbatível por parte de um «player» int

Pedro Carvalho pc@mediafin.pt 15 de Março de 2006 às 10:45
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Banco Comercial Português (BCP), ao montar a operação de OPA sobre o BPI, deixou espaço para rever em alta a contrapartida da OPA dos 5,70 euros para os 6,50 euros, segundo as contas da JP Morgan. Este valor, seria imbatível por parte de um «player» internacional.

De acordo com os analistas da JP Morgan, o anúncio da oferta pública de aquisição (OPA) sobre as acções do Banco BPI [BPIN] constituiu uma surpresa, devido à recente participação do banco no leilão na Roménia para a compra do BCR e devido à postura anterior do «management» de diversificar as fontes de geração de lucros para fora do mercado doméstico.

Apesar desta mudança de direcção, a equipa de analistas liderada por Ignacio Cerezo Olmos acredita que a OPA é um passo positivo para o banco, devido à falta de oportunidades para crescer lá fora, via aquisições, e também porque o banco tem a possibilidade de extrair valor de uma consolidação com o BPI, dado o seu historial de corte de custos noutras aquisições.

A JP Morgan, em relação às sinergias, aparece com uma postura mais conservadora que o BCP, já que prevê ganhos com as sinergias de 175 milhões de euros, um valor 25% aquém da meta sugerida pela administração liderada por Paulo Teixeira Pinto.

O principal risco para operação, que Ignacio Cerezo Olmos e Carla Antunes sugere prende-se com a incerteza sobre os passos que serão dados pelos três maiores accionistas do BPI (La Caixa, Itaú e Allianz), que controlam um total de 40% do capital.

Uma posição concertada por parte deste núcleo duro poderá forçar o BCP a rever em alta a contrapartida da OPA de 5,70 euros, ou mesmo a cancelar a oferta, com a JP Morgan também a não por de lado um cenário de uma OPA concorrente.

No actual contexto, o banco de investimento está a atribuir uma probabilidade baixa de ocorrer uma investida concorrente à do BCP.

No entanto, segundo as contas dos analistas, o BCP na proposta de compra que o BCP apresentou, «deixa espaço para poder pagar até 6,50 euros pelas acções do BPI (15% acima da contrapartida anunciada), sem que isso represente uma diluição no negócio» proposto pelo banco.

Este valor, segundo a JP Morgan, «será difícil de bater por um "player" internacional».

A casa tem um a recomendação de «neutral» para as acções do BCP, com um preço-alvo de 2,50 euros. Para o banco liderado por Fernando Ulrich, a JP Morgan também sugere uma recomendação de «neutral» com um «target» de 4,50 euros.

As acções do BCP, perante um cenário de uma OPA concorrente, disparavam 8,27% para os 2,75 euros.

Ver comentários
Outras Notícias