Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Guerra pela Vivo "ainda não está resolvida"

Os analistas do BPI dizem que o embate entre a Portugal Telecom e a Telefónica, pelo controlo da Vivo, ainda não está resolvido e que existem “riscos políticos e legais que podem arrastar esta questão durante algum tempo”. Ainda assim, a recomendação continua a ser de "comprar".

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 01 de Julho de 2010 às 09:26
  • Partilhar artigo
  • 7
  • ...
Os analistas do BPI dizem que o embate entre a Portugal Telecom e a Telefónica, pelo controlo da Vivo, ainda não está resolvido e que existem “riscos políticos e legais que podem arrastar esta questão durante algum tempo”. Ainda assim, a recomendação continua a ser de “comprar”.

O BPI Equity Reserach atribui um preço-alvo de 8,30 euros por acção à Portugal Telecom, o que confere aos títulos um potencial de subida de 0,3%. No entanto “o forte interesse” da Telefónica na Vivo deverá suportar o desempenho dos títulos e justifica a recomendação da casa de investimento.

Ontem a Telefónica viu a sua oferta pela Vivo ser aceite por 74% de votos emitidos a favor da oferta, na Assembleia-Geral de Accionistas em que se decidia a venda da participação da Portugal Telecom na Vivo do Brasil. O governo fez uso da “golden share” do Estado na operadora portuguesa e bloqueou a decisão.

“O veto do governo português foi inesperado e levanta algumas questões quanto à sua legalidade”, diz a equipa de analistas liderada por Pedro Pinto Oliveira. A operadora espanhola prolongou a sua oferta até dia 16 de Julho e disse que “se reserva o direito de recorrer a tribunal”. No dia 8 de Julho, o Tribunal Europeu de Justiça pronuncia-se sobre a legalidade da Golden Share do Estado na Portugal Telecom.

A deliberação “o que pode aumentar significativamente a pressão para que se eliminem” os direitos preferenciais de que o governo fez uso para bloquear a aceitação da proposta.

Segundo o banco existem “três alternativas para o impasse”. Como uma hipótese “muito provável” o banco enuncia a possibilidade de a “golden share” ser eliminada no curto prazo, prevendo que nesse caso a Telefónica não retire a oferta e seja convocada uma nova Assembleia-Geral de Accionistas.

“Por outro lado não excluímos a possibilidade de o processo ser arrastado por bastante tempo”, diz o banco de investimento que nesse caso vê o risco de que a Telefónica retire a oferta e só procure um negócio depois da extinção da “Golden Share”. Neste caso existe o risco de que uma nova oferta não seja tão benéfica para os accionistas como a actual, mas é o “forte” interesse da Telefónica na Vivo que suporta o preço da Portugal Telecom.

“Por último” o BPI Equity Research “não põe de lado uma oferta pela totalidade da PT”, mas não acredita que esta seja provável, mesmo que seja eliminada a “Golden Share”. Não só os espanhóis necessitariam de reunir dois terços de votos a favor em Assembleia-Geral como enfrentariam um custo muito superior, que poderia pressionar o seu balanço. Tudo para comprar activos, em que “pensamos que a Telefónica não tem um interesse particular”, concluem os analistas.

Ver comentários
Outras Notícias