Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

JPMorgan corta estimativas para a Zon e baixa avaliação em 18%

O JPMorgan reviu em baixa as estimativas para a Zon Multimédia, o que se traduziu num corte de 18% na avaliação atribuída aos títulos da empresa liderada por Rodrigo Costa. O "target" desceu para 3,60 euros, fixando-se abaixo da actual cotação das acções da dona da TV Cabo.

Paulo Moutinho 10 de Março de 2009 às 08:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O JPMorgan reviu em baixa as estimativas para a Zon Multimédia, o que se traduziu num corte de 18% na avaliação atribuída aos títulos da empresa liderada por Rodrigo Costa. O “target” desceu para 3,60 euros, fixando-se abaixo da actual cotação das acções da dona da TV Cabo.

“Reduzimos em 4% as nossas estimativas para o EBITDA, aumentámos as previsões de dívida entre 6% e 9%”, ao mesmo tempo que “cortámos as projecções de ‘cash flow’ operacional em 20% a 40%”, refere o analista Jonathan Dann. Assim, o “nosso preço-alvo caiu de 4,40 euros para 3,60 euros”.

As acções da Zon Multimedia terminaram a sessão de ontem a negociar nos 3,651 euros. O “target” atribuído pelo banco norte-americano fica abaixo dos preços de mercado, conferindo às acções um potencial de queda de 1,4%, o que leva o analista a reitera a recomendação de “underweight”.

Nesta nota de investimento a que o Negócios teve acesso, o JPMorgan sublinha que a Zon tem conseguido apresentar crescimento nas receitas, mas que a geração de “cash flow” permanece fraca e salienta que a empresa liderada por Rodrigo Costa está a contrair dívida para pagar dividendos.

“A gestão revelou que a dívida vai aumentar para 550 a 600 milhões em 2009”, destaca Jonathan Dann, lembrando que nos últimos cinco anos, “a dívida líquida aumentou em cerca de 520 milhões, tendo 573 milhões sido entregues aos accionistas, o que indicia uma tendência de pagar dividendos com dívida”.

O JPMorgan prevê que a Zon irá reduzir o “pay out”, depois de entregar 100% dos lucros em 2008, e acrescenta que, na sua opinião, o programa de recompra de acções, entretanto suspenso, “não irá ser retomado”.

Ver comentários
Outras Notícias