Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lisbon Brokers sobe recomendação do BCP para “forte compra”

A Lisbon Brokers aumentou a recomendação para o BCP de "compra" para "forte compra". Numa análise ao sector da banca, a casa de investimento mantém a recomendação de "overweight" para os títulos do sector bancário.

Maria João Soares mjsoares@negocios.pt 26 de Fevereiro de 2008 às 15:51
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Lisbon Brokers aumentou a recomendação para o BCP de "compra" para "forte compra". Numa análise ao sector da banca, a casa de investimento mantém a recomendação de "overweight" para os títulos do sector bancário.

O analista John dos Santos considera que o sector bancário nacional "foi punido injustamente pelos investidores que pretenderam evitar a exposição ao crédito de alto risco dos Estados Unidos".

No entanto, os bancos nacionais foram "relativamente imunes ao impacto directo da crise no crédito uma vez que os principais bancos cotados tiveram exposição nula aos mercados de crédito de alto risco dos Estados Unidos".

Em relação ao BES, "o banco que nos parece o melhor no papel", a casa de investimento reduziu o preço-alvo de 18 euros para 16 euros por acção, para um horizonte de 12 meses, mantendo a recomendação de "forte compra". A redução da avaliação é explicada com a incerteza quanto à evolução da economia agravada pelo aumento das restrições no crédito.

Para o BCP, a Lisbon Brokers subiu a recomendação para "forte compra", com um preço-alvo de 2,30 euros "que já incorpora a incerteza relativamente à evolução dos fundamentais da economia". O "target" para o BCP atribui um potencial de valorização de 31% às acções, o que "torna o BCP a nossa ‘top pick’ no sector bancário".

A casa de investimento considera que as notícias negativas que atingiram o maior banco privado nacional já ficaram para trás e que desde que a nova equipa tomou posse existe coesão entre accionistas e administração.

Para o BPI, a Lisbon Brokers tem uma recomendação de "manter" com um preço-alvo de 4,00 euros por acção que "reflecte a nossa preocupação relativamente à possibilidade do banco ter que recorrer a um aumento de capital para financiar os seus objectivos de crescimento".

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias