Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Metas de crescimento da Jerónimo Martins na Polónia têm impacto "positivo"

O BPI Equity Research atribuiu um impacto "positivo" à importância dada à Polónia na estratégia da empresa, bem como a estratégia "mais agressiva do que esperado", em termos de crescimento no país.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 11 de Outubro de 2010 às 09:46
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O banco de investimento sublinha três aspectos principais referidos por Pedro Soares dos Santos na conferência “Oportunidades de Investimento: Polónia”, organizada pelo Negócios.

Um deles é objectivo de ter três mil lojas no país entre 2015 e 2016, o que é um número “significativamente mais alto do que a nossa actual estimativa”, que aponta para 2360 lojas em 2015 e de 2.600 lojas na em 2020.

“Acreditamos que o mercado pode absorver estas novas lojas devido à baixa penetração do retalho moderno e acreditamos também que a empresa tem um balanço suficientemente forte para financiar o seu crescimento”, referem os analistas.

Um segundo aspecto é de o CEO da Jerónimo Martins ter dito “claramente”, que pode proceder a novas aquisições na Polónia. Pedro Soares dos Santos disse na entrevista que 2012 "será crucial" para a selecção de operadores no mercado polaco, dizendo que “espera que a Jerónimo Martins esteja pronta para algumas destas aquisições se for preciso”.

Por último, as estimativas que apontam para uma facturação de 4,7 mil milhões de euros na Polónia, “estão em linha” com o antecipado pelo BPI Equity Research, segundo a nota de investimento assinada por uma equipa de analistas do BPI.

De um modo geral, “estimamos que este crescimento acima do esperado pode representar um acréscimo de 70 cêntimos na nossa avaliação fundamental”, conclui a nota de investimento.

O BPI atribui um preço-alvo de 9,50 euros aos títulos da Jerónimo Martins, com recomendação de “manter”, que reflecte um potencial de desvalorização de 2,57%, face ao preço actual. Hoje as acções da retalhista estão a descer 2,64% para 9,751 euros, depois de o banco UBS ter reduzido a sua recomendação para a cotada.



Ver comentários
Outras Notícias