Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Morgan Stanley revê estimativas e corta "target" da Galp Energia em 33%

O Morgan Stanley reviu em baixa as suas estimativas de resultados para a Galp Energia, até 2012, o que se traduziu num corte de 33% à avaliação feita aos títulos da petrolífera nacional. O "target" recuou para 14,00 euros, mas o banco de investimento manteve a recomendação em "overweight" dado elevado potencial de subida das acções.

Paulo Moutinho 18 de Fevereiro de 2009 às 09:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...
O Morgan Stanley reviu em baixa as suas estimativas de resultados para a Galp Energia, até 2012, o que se traduziu num corte de 33% à avaliação feita aos títulos da petrolífera nacional. O “target” recuou para 14,00 euros, mas o banco de investimento manteve a recomendação em “overweight” dado elevado potencial de subida das acções.

“Reduzimos o nosso preço-alvo para 14,00 euros por acção (face aos anteriores 21,00 euros” de forma a “reflectir as estimativas de resultados mais baixas, no curto-prazo, mas também a maior taxa de desconto de 7,5% e uma abordagem mais conservadora à avaliação do Brasil”, refere a equipa de analistas liderada por Theepan Jothilingam.

Este novo “target”, apesar de mais reduzido, confere às acções da empresa liderada por Ferreira de Oliveira um potencial de valorização de 62,98%, considerando a cotação actual. Na sessão de hoje os títulos da Galp Energia seguem a valorizar 1,66%, estando a ser negociados nos 8,59 euros.

A conjugação de maior confiança no desenvolvimento do “gigante Tupi (e depois o Jupiter), a execução da conversão da refinaria de Sines e preços do petróleo mais elevados” poderá levar o “target” do Morgan Stanley de volta acima dos 20,00 euros. No cenário “bull”, o banco de investimento atribui à Galp Energia uma avaliação de 20,80 euros.

Nesta nota de investimento a que o Negócios teve acesso, o Morgan Stanley percepciona que existem preocupações entre os investidores relativamente ao financiamento das operações no Brasil, mas “sentimos uma determinação da administração para lidar com este ponto, e esperamos que a actualização da estratégia em Março possa ser tranquilizadora”.

O banco vê no Brasil “a história mais excitante dos hidrocarbonetos da próxima década” e sublinha que a Galp Energia goza de um “posição única já que é uma das poucas empresas no nosso universo que pensamos poderá vir a duplicar de tamanho e também de valor”. Conclui afirmando que “pouco do valor do Brasil está implícito na actual cotação” das acções.

Ver comentários
Outras Notícias