Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

TGV beneficia todo o sector em Portugal mas principalmente Mota-Engil e Teixeira Duarte

O TGV terá um impacto positivo em todo o sector em Portugal mas as construtoras são quem mais vão beneficiar com o projecto, consideram os analistas do BPI no dia em que o ministro das Obras Públicas e Comunicações, Mário Lino adiantou que o investimento

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 13 de Dezembro de 2005 às 10:31
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O TGV terá um impacto positivo em todo o sector em Portugal mas as construtoras são quem mais vão beneficiar com o projecto, consideram os analistas do BPI no dia em que o ministro das Obras Públicas e Comunicações, Mário Lino adiantou que o investimento total no projecto de alta velocidade ferroviária vai ascender a 8,18 mil milhões. Os mesmos especialistas não acreditam que a Brisa será muito prejudicada.

Segundo o mesmo responsável, o total inclui o investimento de 7,7 mil milhões de euros em infra-estrutura nas duas ligações prioritárias Lisboa/Porto e Lisboa/Madrid, mais 480 milhões de euros de investimento em material circulante.

No Iberian Daily do BPI os especialistas explicam que este projecto tem um impacto «positivo» em quase todas as empresas envolvidas neste sector em Portugal e poderá também beneficiar as companhias espanholas.

Para os analistas, as construtoras «são quem mais vai beneficiar com este projecto (a Brisa também poderá ter um papel importante), com a Mota-Engil e a Teixeira Duarte a serem os óbvios vencedores e com a Cimpor e a Semapa a serem indirectamente beneficiados devido ao esperado aumento no consumo de cimento».

No entanto, deverá competir directamente com o tráfego aéreo entre Lisboa e Porto, com uma queda estimada no mesmo de 40%, bem como nas ligações a Madrid, já que o comboio deverá absorver cerca de 30% do tráfego aéreo entre as duas cidades, consideram os espacialistas.

A mesma fonte sublinha que o impacto na Brisa não deverá ser tão negativo uma vez que na A1, a maior parte do trânsito situa-se nos extremos da mesma e continua a ser mais barato viajar de automóvel.

Ver comentários
Outras Notícias