Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

UBS corta Jerónimo Martins para “neutral” mas sobe avaliação para €5,60

A UBS reviu em alta a avaliação para os títulos da Jerónimo Martins, para reflectir o plano de expansão mais ambicioso e o crescimento das margens acima do esperado na Polónia. A casa de investimento suíça atribuiu à distribuidora um preço-alvo de 5,60 eu

Paulo Moutinho 14 de Dezembro de 2007 às 10:06
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A UBS reviu em alta a avaliação para os títulos da Jerónimo Martins, para reflectir o plano de expansão mais ambicioso e o crescimento das margens acima do esperado na Polónia. A casa de investimento suíça atribuiu à distribuidora um preço-alvo de 5,60 euros, mas baixou a recomendação de "comprar" para "neutral" dada a performance dos títulos nos últimos meses.

O novo "target" representa um aumento de 3,7% face à anterior avaliação de 5,40 euros, e confere à Jerónimo Martins [jmar] um potencial de valorização limitado, de 4%, face à cotação actual. As acções da empresa liderada por Palha da Silva seguiam a cotar nos 5,38 euros, em baixa de 0,37%.

"Actualizámos as nossas estimativas para reflectir o maior do que esperado plano de expansão na Polónia (abertura de 130 lojas ao ano), e as margens (5,5%-6,5%, dos 5%-6%)", refere o analista Pedro Baptista, acrescentando que "as nossas estimativas de lucros por acção aumentaram em 4% para 2007/2008".

A casa suíça destaca que a Jerónimo Martins, através da Biedronka, detém uma "posição única" na Polónia. "Acreditamos que a Jerónimo Martins irá continuar a registar uma forte performance na Polónia, com 60% de quota num mercado em desenvolvimento, crescimento de dois dígitos." Pedro Baptista estima que "as receitas da Polónia deverão superar as de Portugal em 2009".

Como catalisador para o papel, a UBS destaca a possível aquisição dos 49% da Ahold na Jerónimo Martins Retalho. "Assumimos que o negócio será realizado em 2008 por 500 milhões de euros". Além deste negócio, a casa de investimento salienta que a possibilidade de ser realizado o IPO da Biedronka em 2008 e novos movimentos de consolidação (por exemplo: Plus), poderão ser também "triggers" para as acções.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias