Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

UBS prevê prejuízos para a Sonae Indústria em 2008 e 2009

A UBS actualizou em baixa as suas estimativas para a Sonae Indústria, após resultados que classifica de "fracos", cortando em 37,5% o preço-alvo dos títulos da empresa liderada por Bianchi de Aguiar. A casa suíça alerta que o "mau momento" de resultados vai continuar, antecipando prejuízos no final de 2008 e em 2009.

Paulo Moutinho 04 de Agosto de 2008 às 15:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 14
  • ...
A UBS actualizou em baixa as suas estimativas para a Sonae Indústria, após resultados que classifica de “fracos”, cortando em 37,5% o preço-alvo dos títulos da empresa liderada por Bianchi de Aguiar. A casa suíça alerta que o “mau momento” de resultados vai continuar, antecipando prejuízos no final de 2008 e em 2009.

Depois da Sonae Indústria ter revelado prejuízos de 7 milhões de euros, no segundo trimestre (lucros de 6 milhões nos seis meses deste ano), e uma quebra de 55% no EBITDA, a UBS reduziu as suas estimativas em 20%, em termos de EBITDA, e salienta: “Esperamos prejuízos em 2008 e 2009”, refere o analista Pedro Baptista.

A casa de investimento aponta para que a Sonae Indústria divulgue um resultado líquido negativo de 36,49 milhões de euros, no final deste ano. Em 2009, os prejuízos devem diminuir para 15,93 milhões, sendo que em 2010 a empresa deverá regressar aos lucros, com a UBS a apontar para um valor de 4,98 milhões de euros.

Pedro Baptista acrescenta, na mesma nota de investimento, que espera “uma quebra nas margens e no volume, na Península Ibérica e na Europa Central, em cerca de 15%, este ano”. Prevê ainda “a forte concorrência de preços e pressão nas margens no Canadá”, mas defende que as margens no Brasil vão “manter-se fortes”.

Nesta base, a UBS revisitou a sua avaliação para a Sonae Indústria, baixando o preço-alvo da empresa. O “target” caiu dos 6,40 euros para os 4,00 euros, mas manteve-se inalterada a recomendação de “comprar”. Isto porque, tendo em conta a cotação actual (2,54 euros), as acções apresentam um potencial de subida de 57,5%.



Ver comentários
Outras Notícias