Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CEO da Swatch diz que a Suíça está perante um "tsunami"

Grandes exportadores estão alarmados com o impacto da decisão do banco central suíço de deixar de assegurar uma paridade mínima da moeda nacional com o euro. Ao longo da manhã, o franco suíço valorizou quase 30%. Em contrapartida, a bolsa afundou mais de 10%.

Negócios 15 de Janeiro de 2015 às 13:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Nick Hayek, o CEO da relojeira Swatch, criticou ferozmente a decisão do banco central suíço (SNB) de abandonar uma política que garantia, desde 2011, uma paridade mínima entre a moeda nacional e o euro, considerando que os seus efeitos sobre a economia helvética serão tão devastadores como um "tsunami".


"Não tenho palavras. Jordan (Jordão) não é apenas o nome do presidente do banco central mas também de um rio e a decisão de hoje é um tsunami para a indústria exportadora e para o turismo e, no fim da linha, para todo o país", afirmou em comunicado, citado pelo The Guardian.

 

A decisão Thomas Jordan gerou uma queda generalizada na bolsa suíça, estando as companhias exportadoras e financeiras, as mais penalizadas com a subida do franco, a ser as mais castigadas.

 

Na banca, o UBS afunda 13,6%, o Julius Baer desvaloriza 13,43% e o Credit Suisse desce 12,88%. Entre as exportadoras destaca-se a Swatch, com as acções da fabricante de relógios a cair 13,09%. A farmacêutica Novartis e a cimenteira Holcim também caem mais de 10%.

 

O "chief investment office" do UBS já antecipou que esta decisão do banco central terá um "grande" impacto na economia suíça. Estimou um impacto de 5 mil milhões de francos suíços, o equivalente a 0,7% do PIB do país.

 

O banco central definiu em 2011 que a moeda do país deveria ter um câmbio mínimo de 1,20 francos suíços por euro, com o objectivo de proteger a economia suíça da turbulência originada com a crise da dívida soberana da Zona Euro e que gerou uma grande pressão de valorização sobre a moeda helvética, considerada activo de refúgio.

 

Mas a política de manutenção de um franco mais baixo, e logo mais competitivo, terá custado ao banco central 200 mil milhões de dólares só em 2012, ou seja, as intervenções no mercado cambial para travar a subida do franco custaram nesse ano quase o equivalente ao PIB português.

 

Agora, perante a tendência de desvalorização do euro e a expectativa de mais quedas devido ao programa de compra de dívida pública que o BCE deverá anunciar na próxima semana, o banco central desistiu de manter essa ligação do franco ao euro.

Ver comentários
Saber mais Nick Hayek Swatch The Guardian Thomas Jordan Credit Suisse câmbio euro franco cotação
Mais lidas
Outras Notícias