Câmbios Divisa chinesa caminha para a maior queda mensal em mais de 25 anos

Divisa chinesa caminha para a maior queda mensal em mais de 25 anos

O renminbi acumula uma desvalorização superior a 3% no mês de agosto. É a maior queda em mais de 25 anos.
Divisa chinesa caminha para a maior queda mensal em mais de 25 anos
Reuters
Tiago Varzim 30 de agosto de 2019 às 07:57

A divisa chinesa já caiu 3,7% face ao dólar em agosto, de acordo com os dados disponibilizados pela Bloomberg. A um dia do fim do mês, o renminbi caminha assim para a maior queda mensal desde 1994, ano em que o atual sistema de câmbio da China foi montado.

Não é de estranhar esta evolução: foi este mês que a divisa chinesa caiu para mínimos de 11 anos face ao dólar, passando a ser necessários mais de 7 yuans para "comprar" um dólar. Até ontem, a moeda acumulou dez quedas diárias consecutivas, o maior ciclo de desvalorizações desde 2015.


Tal aconteceu porque o banco central chinês (Banco Popular da China) o permitiu, fixando uma taxa de câmbio mais alta e permitindo que a divisa chinesa flutuasse em valores que remontam a 2008, período da crise financeira mundial.

Ao contrário do euro, o dólar, a libra ou o iéne, o renminbi não tem uma taxa de câmbio flexível, mas sim uma taxa de câmbio fixa, existindo a intervenção do Banco Popular da China ou de bancos públicos para assegurar que não valoriza ou desvaloriza além de um intervalo de 2% para cada um dos lados. 

Ao deixar desvalorizar a divisa, a China torna as suas exportações mais competitivas em dólares dado que ficam mais baratas para os consumidores e empresas, compensando em parte as tarifas impostas pelos EUA.

Contudo, também torna mais difícil pagar dívidas ou comprar bens ou serviços de outros países (penaliza as importações) e pode em último caso levar à fuga de capitais estrangeiros e a um stress financeiro, tal como já aconteceu no passado.

As autoridades chinesas argumentam que a queda da sua moeda reflete a disputa comercial com os Estados Unidos dado que as taxas aduaneiras condicionarão o crescimento da economia chinesa, enfraquecendo o papel da sua divisa no panorama global. 

No entanto, esta queda do renminbi foi mal recebida em Washington que prontamente atacou Pequim por estar a manipular a sua moeda. Pouco tempo depois, os EUA chegariam mesmo a classificar a China como "manipulador cambial" pela primeira vez em 25 anos, abrindo a porta a potenciais sanções.

Para o economista do Deutsche Bank, Yi Xiong, a China está a adotar uma estratégia de longo prazo. "A China não acha que a disputa comercial seja algo que pode ser realmente resolvida no curto prazo", disse, citado pelo Financial Times.

Os economistas da Capital Economics estimavam que esta queda da divisa ajudará a impulsionar a economia na ordem dos 0,2%, ajudando a compensar o impacto negativo avaliado em 0,8% das tarifas dos EUA já no terreno ou que estão por vir.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI