Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Abertura dos mercados: Bolsas e petróleo em alta. Euro em queda

Os principais índices bolsistas europeus seguem a negociar em terreno positivo, numa altura em que os investidores aguardam pela decisão da Fed relativamente à política monetária. Petróleo está também a subir e o euro desce.

Reuters
Ana Laranjeiro alaranjeiro@negocios.pt 15 de Setembro de 2015 às 08:39
  • Partilhar artigo
  • ...

Os mercados em números

PSI-20 soma 0,29% para 5.006,68 pontos

Stoxx 600 cresce 0,31% para 354,73 pontos

Nikkei encerrou a valorizar 0,34% para 18.026,48 pontos

"Yield" 10 anos de Portugal cede 0,5 pontos base para 2,656%

Euro recua 0,23% para 1,1291 dólares

Petróleo aprecia 0,09% para 46,41 dólares por barril, em Londres

 

Fed continua a captar atenção dos mercados europeus


As bolsas europeias arrancaram a sessão desta terça-feira, 15 de Setembro, no verde. O índice francês CAC 40 lidera as valorizações do Velho Continente, ao subir 0,51%, seguido do germânico DAX, que cresce 0,49%. O Stoxx 600 valoriza 0,31%. A marcar a negociação nos mercados bolsistas europeus está o encontro desta semana da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed). As bolsas europeias têm registado alguma volatilidade com os investidores a tentarem perceber quando é que a autoridade monetária norte-americana vai subir as taxas de juro.


Na Ásia, as acções chinesas voltaram a ter uma sessão negativa, com o Shanghai Composite Index a recuar 3,52% no fecho da sessão. Os investidores receiam que as medidas do governo de Pequim para apoiar a segunda maior economia mundial e o mercado bolsista não tenham o efeito pretendido, o penalizou as acções da China. No Japão, o Nikkei encerrou a subir 0,34% e o Topix cedeu 0,01%. O Banco do Japão decidiu não alterar a sua política monetária mesmo depois de a economia nipónica ter recuado no último trimestre, um dos pontos que marcou a sessão em Tóquio.

  

Juros da dívida portuguesa

Os juros da dívida pública nacional estão a negociar sem uma tendência definida no mercado secundário. O mesmo acontece com os juros dos restantes países periféricos. A dez anos, o prazo considerado de referência, as "yields" portuguesas cedem 0,5 pontos base para 2,656%. Na mesma maturidade, os juros da Alemanha somam 0,8 pontos base para 0,663%. O prémio de risco da dívida portuguesa está a ceder para o 198,2 pontos.

 

Euro volta a perder terreno

A moeda da Zona Euro está a perder terreno face ao dólar, recuando 0,23% para 1,1291 dólares. A Bloomberg avança que a divisa norte-americana está a meio da sua subida mais forte desde 1984. Há 30 anos, os Estados Unidos tinham capacidade suficiente para ultrapassar uma situação de desequilíbrio comercial, causando surpresa no mercado ao anunciar o Acordo Plaza. Neste acordo, os Estados Unidos acordaram com o Japão, Alemanha, França e Reino Unido uma acção coordenada de forma a enfraquecer o dólar, escreve a agência. Actualmente, a vontade da Fed em subir as taxas de juro de referência, em conjunto com fracos estímulos monetários de outros bancos centrais, levou a uma valorização do dólar.

Petróleo em queda 

Os preços do petróleo estão a subir nos mercados internacionais. Esta segunda-feira, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) publicou, no seu relatório mensal, uma revisão em baixa do crescimento da produção nos países que não pertencem ao grupo, nomeadamente nos EUA. Na sexta-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) também cortou as previsões de produção nestes países, mas reiterou que a oferta irá continuar excedentária. Segundo o organismo, as reservas de crude não vão diminuir até ao segundo semestre do próximo ano, previsão que se pode agravar se o Irão aumentar as suas exportações de petróleo.

O West Texas Intermediate sobe 0,73% para 44,32 dólares por barril. E o Brent do Mar do Norte avança 0,09% para 46,41 dólares por barril.

Ouro desvaloriza à espera da Fed

Os preços do metal amarelo estão a recuar. Por esta altura, o ouro desce 0,08% para 1.108,16 dólares por onça. Este comportamento tem lugar numa altura em que os investidores aguardam pela decisão desta semana da Fed, relativamente à sua política monetária.

Destaques do dia

Carlos Tavares termina mandato na CMVM e novo governo escolhe mulher. O actual presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, termina hoje o seu mandato e será substituído por uma mulher após a eleição de um novo governo, a sair das eleições legislativas de Outubro.

Mercado dita valor recebido por emigrantes do Novo BancoO Novo Banco não garante liquidez às obrigações que quer entregar aos clientes não residentes, mas prevê mais retornos para quem mantiver obrigações. A instituição alerta que ficar com acções preferenciais traz mais incertezas.

Processo de venda do Novo Banco abala acções do BCP e do BPIA probabilidade de um acordo entre o Banco de Portugal e os chineses da Fosun tem vindo a diminuir, com o preço no centro da discórdia, uma situação que está a preocupar os investidores. Bancos caíram mais de 3%.

Contas a cada 3 ou 6 meses? Cotadas nacionais estão divididasQuando se pergunta a 38 empresas que têm capital disperso na praça portuguesa o que fariam se a obrigação de publicar contas trimestrais desaparecesse, há respostas para todos os gostos. Mas a medida é bem acolhida pela maioria, grandes e pequenas.


O que vai acontecer hoje

Zona Euro. Balança comercial, em Julho [anterior (ajustado): 21,9 mil milhões de euros; estimativa: 21,3 mil milhões]

 

Alemanha. Indicador de expectativas económicas do instituto alemão ZEW, em Setembro [anterior: 25,0 pontos; estimativa: 18,3 pontos]

 

INE. Actividade turística, em Julho

 

EUA. Vendas a retalho, em Agosto [anterior: 0,6% ; estimativa: 0,3%]

 

EUA. Índice de produção industrial, em Agosto [anterior: 0,6% ; estimativa: -0,2%]

 

Ver comentários
Saber mais abertura dos mercados petróleo Brent Crude West Texas Intermediate Fed política monetária
Outras Notícias