Investidor Privado A sua semana dia-a-dia: A inflação nos EUA e a emissão de dívida de longo prazo

A sua semana dia-a-dia: A inflação nos EUA e a emissão de dívida de longo prazo

A semana será marcada pela divulgação dos números da inflação nos EUA e pela divulgação de resultados em Lisboa. Já o IGCP procura levantar até 1.250 milhões de euros em dívida de longo prazo.
A sua semana dia-a-dia: A inflação nos EUA e a emissão de dívida de longo prazo
Patrícia Abreu 11 de março de 2018 às 18:00
Segunda-feira INE divulga números do emprego e da inflação
A semana arranca com a divugação de vários indicadores económicos em Portugal. O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga esta segunda-feira a evolução da inflação no segundo mês do ano. Serão ainda conhecidos novos números do emprego e das horas trabalhadas.

Terça-feira Inflação nos EUA cresce em Fevereiro

A inflação nos EUA deverá ter mantido, no último mês, o ritmo de subida. De acordo com as previsões da Bloomberg, o índice de preços no consumidor deverá ter avançado 0,2% em Fevereiro, face ao mês anterior. Em termos homólogos, o crescimento deverá ter sido de 2,2%. A inflação norte-americana continua assim a aproximar-se da meta da Reserva Federal dos EUA, dando margem ao banco central para prosseguir com a política de normalização das taxas de juro no país.

Terça-feira Eurogrupo discute riscos na banca

Os ministros das Finanças dos 27 da União Europeia estarão reunidos em Bruxelas esta terça-feira. Em debate estarão medidas para reduzir os riscos no sector bancário, transparência fiscal e desequilíbrios na economia.

Quarta-feira Portugal procura emitir até 1.250 milhões

O instituto que gere a dívida pública nacional, o IGCP, vai realizar um duplo leilão de dívida de longo prazo esta quarta-feira. O objectivo é que o país se financie entre 1.000 e 1.250 milhões de euros, num prazo máximo de 27 anos. "O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 14 de Março pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de Outubro de 2028 e 15 de Fevereiro de 2045", adiantou o IGCP, em comunicado. 

Quarta-feira Draghi discursa em Frankfurt

Uma semana depois de ter realizado uma conferência de imprensa, após a reunião de política monetária, Mario Draghi irá falar numa conferência organizada pela instituição. Os investidores estarão atentos a novas indicações por parte do responsável, depois do BCE ter deixado cair a hipótese de aumentar estímulos se necessário. 

Quinta-feira REN e Sonae apresentam contas
Várias empresas da bolsa portuguesa divulgam as suas contas relativas a 2017 esta semana. Depois da Sonaecom e da Nos, que apresentam contas no início da semana, a REN e a Sonae reportam na quinta-feira os números da actividade no último ano. Das 18 do PSI-20, só ficam a faltar apresentar contas a Ibersol e a Mota-Engil. 

Sexta-feira Agências avaliam risco de Itália após eleições
A Moody's e a Fitch tem agendada para esta sexta-feira uma possível acção de "rating" sobre Itália. Esta reavaliação surge depois dos resultados das últimas eleições terem aumentado a instabilidade política no país, com a subida do Movimento 5 Estrelas, um partido anti-sistema. Para já não há acordo para a formação de um novo governo. O actual primeiro-ministro, Matteo Renzi, confirmou que vai pedir demissão da liderança do partido de centro-esquerda e anunciou que o PD irá agora para a oposição, pelo que não participará na construção de uma solução governativa. 



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
António 11.03.2018

Se com tantos impostos e iva a 23%, com a economia europeia a bombar e precisam de fuuder a geração actual e dos nossos netos, então que levem um pontapé no cu seus incompetentes.

General Ciresp 11.03.2018

Oh minha rica filhinha quantos mais NETINHOS me deres menor sera a divida q recaem sobre esses inocentes.A casalinho nao para de ENGRAVIDAR o raio da divida.

pub