Mercados num minuto Abertura de mercados: Juros em máximos de dois meses. Euro e Ouro recuperam de mínimos de Dezembro

Abertura de mercados: Juros em máximos de dois meses. Euro e Ouro recuperam de mínimos de Dezembro

As bolas europeias negoceiam em alta ligeira com o PSI-20 a contrariar a tendência de ganhos. Os juros de Portugal e Itália estão em máximos de dois meses. Euro e ouro estão a recuperar de mínimos de Dezembro. Crude desvaloriza com aumento de reservas e alternativa para comercialização da UE com o Irão.
Abertura de mercados: Juros em máximos de dois meses. Euro e Ouro recuperam de mínimos de Dezembro
Bloomberg
David Santiago 16 de maio de 2018 às 10:09

Os mercados em números

PSI-20 cede 0,09% para 5.694,43 pontos

Stoxx 600 valoriza 0,15% para os 392,97 pontos

Nikkei perdeu 0,44% para 22.717,23 pontos 

"Yield 10 anos de Portugal avança 0,2 pontos base para os 1,744%

Euro ganha 0,01% para os 1,1838 dólares

Petróleo cai 0,37% para os 78,14 dólares por barril em Londres

 

Europa sobe pelo segundo dia
As principais praças europeias transaccionam em terreno positivo pelo segundo dia, isto apesar das quedas registadas nas bolsas asiáticas que foram penalizadas pelo regresso de tensão à península coreana. Isto porque a Coreia do Norte cancelou de forma inesperada as conversações em curso com a Coreia do Sul, o que agravou a apreensão quanto ao sucesso da cimeira com os Estados Unidos.

 

O índice de referência europeu Stoxx 600 soma 0,15% para 392,97 pontos apoiado sobretudo pela valorização registada pelo sector europeu das matérias-primas. Por cá, o PSI-20 cede 0,09% para 5.694,43 pontos, interrompendo assim uma série de oito dias seguidos em alta, o ciclo de ganhos mais longo desde Setembro do ano passado.

 

Os CTT (-9,93% para 2,92 euros), que negoceiam se direito ao dividendo de 38 cêntimos, e o BCP (-0,77% para 0,2841 euros) são as cotadas que mais pressionam numa manhã em que o sector do papel está novamente em destaque pela positiva. A Altri (7,35 euros), a Navigator (5,385 euros) e a Semapa (20,10 euros) já estabeleceram novos máximos de sempre.

 

Juros em máximos de dois meses após abrandamento económico

Os juros das dívidas públicas dos países da Zona Euro estão a negociar em alta generalizada, o que acontece depois de ontem terem sido divulgados indicadores que mostram que as economias da moeda única abrandaram os níveis de crescimento no primeiro trimestre.

 

A taxa de juro associada às obrigações lusas com prazo a 10 anos sobe ligeiros 0,2 pontos base para 1,744%, tendo esta manhã tocado no valor mais alto desde 15 de Março, naquele que é o terceiro dia seguido de subidas.

 

Também a crescer há três sessões, os juros da dívida italiana a 10 anos sobem 2,8 pontos base para 1,983%, após terem negociado em máximos de 14 de Março. Isto numa altura em que ainda decorrem negociações entre o 5 Estrelas e a Liga com vista à formação de um governo. Perante a possibilidade de um governo formado por duas forças anti-sistema colocar em causa o caminho de consolidação das contas públicas, Bruxelas alertou esta terça-feira que as regras orçamentais são para cumprir.


A contrariar a tendência está a dívida espanhola cuja "yield" a 10 anos recua 1,1 pontos base para 1,348% numa manhã em que já tocou na taxa mais elevada desde 19 de Março., Por fim, também as "bunds" germânicas caem 2 pontos base 0,625%.

 

Euro recupera de mínimo de Dezembro face ao dólar

A moeda única europeia está a valorizar nos mercados cambiais contra o dólar, estando a apreciar pela segunda sessão seguida face à divisa norte-americana. Assim, o euro está a recuperar do mínimo de Dezembro de 2017 já hoje registado relativamente ao dólar.

 

Por sua vez, o dólar perde terreno após duas sessões consecutivas em alta no índice da Bloomberg que mede a evolução da moeda norte-americana num cabaz das principais moedas mundiais e que colocou a divisa próxima de máximos de quatro meses.

 

Brent desvaloriza com aumento de reservas americanas

O preço do petróleo está a recuar nos mercados internacionais, pondo fim a dois dias seguidos de valorizações. Em Londres, o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, perde 0,37% para 78,14 dólares por barril, enquanto em Nova Iorque o West Texas Intermediate (WTI) cai 0,36% para 71,05 dólares.

 

A justificar esta descida está o aumento inesperado das reservas petrolíferas dos Estados Unidos, depois de um relatório ontem conhecido ter apontado para um aumento de 4,85 milhões de barris na semana passada, o quer compara com a estimativa da Bloomberg que previa uma queda de 2 milhões de barris.

 

Também a contribuir para esta descida está o anúncio feito pela Alta Representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, que revelou que Bruxelas e Teerão estão a procurar alternativas para manter comercialização com o Irão apesar das sanções impostas pelos EUA.

 

Ouro recupera de mínimos de Dezembro

O metal dourado está a valorizar 0,44% para 1.296,19 dólares por onça, uma subida que surge após três sessões consecutivas em queda que atiraram o ouro para mínimos de 28 de Dezembro.




pub