Mercados num minuto Abertura dos mercados: Indefinição em Itália não tira ânimo às bolsas. Petróleo e euro sobem

Abertura dos mercados: Indefinição em Itália não tira ânimo às bolsas. Petróleo e euro sobem

As bolsas europeias estão a negociar em alta ligeira, mesmo depois de as eleições em Itália terem resultado num cenário de incerteza. O petróleo, o euro e o ouro também seguem com sinal verde.
Abertura dos mercados: Indefinição em Itália não tira ânimo às bolsas. Petróleo e euro sobem
Reuters

Os mercados em números

PSI-20 ganha 0,72% para os 5.405,74 pontos

Stoxx 600 cresce 0,46% para 368,74 pontos

Nikkei desvalorizou 0,66% para 21.042,09 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 3,2 pontos para 1,956%

Euro aprecia 0,07% para 1,2326 dólares

Petróleo em Londres sobe 0,87% para 64,93 dólares o barril

Bolsas europeias em alta

As principais praças europeias estão a negociar sobretudo em terreno positivo, numa altura em que os investidores continuam a manifestar receios em torno de uma eventual guerra comercial - embora este temor possa ter acalmado um pouco durante o fim-de-semana - e numa altura em que o mercado digere os resultados das eleições legislativas em Itália.

O Movimento 5 Estrelas, de acordo com as primeiras projecções avançados ontem à noite após o fecho das urnas, foi o partido mais votado nas legislativas em Itália. Mas, aparentemente, nenhum partido terá obtido uma maioria que lhe permita governar sozinho, pelo que terá de ser negociada uma solução governativa, o que pode gerar incerteza política numa das economias mais importante da Zona Euro.

Em relação a uma eventual guerra comercial, os receios do mercado adensaram-se depois de na semana passada, os EUA terem revelado que pretendem aplicar tarifas às importações de duas matérias-primas: aço e alumínio. Várias economias, incluindo a Comissão Europeia, já prometeram responder.

O Stoxx 600, índice de referência, ganha 0,46%. Entre as principais congéneres, a praça holandesa é a que mais sobe, ganhando 0,77%, seguida pelo PSI-20, que cresce 0,72% impulsionada nomeadamente pela Mota-Engil, Pharol, BCP e Corticeira Amorim.

Em queda está o principal índice italiano, que recua 0,91%.

Juros de Itália sobem e contrariam alívio na Europa

Os juros da dívida pública de Itália estão a subir em todas as maturidades, reflectindo o cenário de incerteza que resultou das eleições legislativas deste domingo. A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos sobe 1,9 pontos para 1,989%, acima dos juros da dívida portuguesa no mesmo prazo, que recuam 3,2 pontos para 1,956%.

O alívio estende-se à generalidade dos países do euro, com a ‘yield’ das obrigações a dez anos da Alemanha a descer 3,4 pontos para 0,617%, e a de Espanha a recuar 3,7 pontos para 1,513%.

Euro pouco alterado

Os resultados das eleições em Itália podem gerar um clima de incerteza política na terceira maior economia do euro, e podem ter contribuído para a descida do euro no mercado cambial. Mas nesta altura pode não ser apenas isso que está a captar a atenção dos investidores. Ontem, na Alemanha, o SPD anunciou que aprovou um governo de coligação com a CDU de Angela Merkel. Além disso, esta segunda-feira vão ser divulgados dados económicos, como as vendas a retalho na Zona Euro. O euro ganha 0,07% para 1,2326 dólares. 

Petróleo sobe pela segunda sessão

O petróleo está a negociar em alta pela segunda sessão consecutiva, com uma paralisação no maior campo petrolífero da Líbia a aumentar a especulação de que a oferta vai diminuir, contribuindo para a queda do excedente global.

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,91% para 61,81 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, valoriza 0,87% para 64,93 dólares.

"Os preços do petróleo estão a responder à diminuição da oferta, devido à paralisação da produção na Líbia", afirma Takayuki Nogami, economista-chefe da Japan Oil, Gas & Metals National Corp, citado pela Bloomberg. "Pensava-se que os riscos geopolíticos na Líbia tinham diminuído, mas não é verdade".

Trump continua a sustentar ouro

O metal precioso está a valorizar pela segunda sessão consecutiva, depois de o anúncio de Trump sobre as tarifas sobre o aço e o alumínio terem levado os investidores a procurarem activos de refúgio. A medida – imposição de tarifas sobre as importações destes dois metais – foi conhecida na semana passada, mas só deverá ser formalmente assinada esta semana.

Nesta altura, o ouro ganha 0,27% para 1.326,26 dólares enquanto a prata sobe 0,24% para 16,5632 dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub