Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Altri sobe mais de 4% para máximos de junho após reforço de gestores

A produtora de pasta de papel tocou em máximos de junho do ano passado, como reação ao reforço de presença por parte de dois acionistas na passada sexta-feira.

Altri
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 20 de Janeiro de 2020 às 10:18
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
As ações da Altri subiram 4,31% para os 6,415 euros na sessão desta segunda-feira, dia 20 de janeiro, o que representa um máximo desde junho do ano passado. 

Até ao momento foram negociadas 423.377 ações, que compara com a média diárias dos últimos seis meses fixada nos 508.023.

"A motivar esta subida está a comunicação do reforço de capital na empresa por parte de dois acionistas na sexta-feira", diz Gualter Pacheco, "trader" da Go Bulling.

Na passada sexta-feira, dia 17 de janeiro, a Actium Capital anunciou um reforço no capital da Altri, com a compra de 187.000 ações, representativas de 0,09% do capital e dos direitos de voto da empresa de pasta e papel, passando a deter 12,88% da Altri. O preço médio destas operações de compra foi de 5,895311 euros, pelo que o total despendido ascende a 1,10 milhões de euros.

Para além da Actium, da qual Paulo Fernandes é administrador e acionista dominante, além de ser chairman e co-CEO da Altri – a 1 Thing Investments comunicou que adquiriu, entre 14 e 16 de janeiro, 302.622 ações representativas de 0,15% do capital social e dos direitos de voto da Altri. 

Hoje, o analista do Santander Jaime Escribado renovou a sua avaliação à empresa portuguesa, mas manteve a recomendação inalterada em "Comprar" e o preço-alvo em 7 euros por ação. Este valor confere um potencial de subida de 11,29% face ao fecho de sessão da passada sexta-feira. 

Atualmente, existem nove casas de investimento a cobrirem a Altri, com um preço-alvo médio de 6,89 euros. Cinco delas recomendam "Comprar" e as restantes quatro aconselham "Manter". 
Ver comentários
Saber mais Altri Actium Capital Comprar macroeconomia mercado e câmbios papel e embalagem economia negócios e finanças
Outras Notícias