A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Aumento da inflação afunda bolsas dos EUA

As principais bolsas dos Estados Unidos encerraram a sessão de hoje em forte baixa, a perder mais de 1%, penalizadas pelo aumento – maior do que o previsto - do índice de preços no consumidor, o que reforçou os receios de que os elevados custos da energia

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 14 de Dezembro de 2007 às 21:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As principais bolsas dos Estados Unidos encerraram a sessão de hoje em forte baixa, a perder mais de 1%, penalizadas pelo aumento – maior do que o previsto - do índice de preços no consumidor, o que reforçou os receios de que os elevados custos da energia afectem o crescimento económico norte-americano.

O Dow Jones [indu] fechou a perder 1,32%, nos 13.338,96 pontos. O S&P 500 [spx] acompanhou a tendência, com um decréscimo de 1,38% para 1.467,94 pontos. O índice compósito Nasdaq [ccmp] marcava 2.635,74 pontos, a desvalorizar 1,23%.

A Black & Decker registou a queda mais acentuada dos últimos cinco meses, depois de rever em baixa as suas previsões dos lucros.

A Circuit City Stores não perdia tanto terreno numa sessão desde 9 de Novembro, tendo sido fragilizada por relatórios de analistas que dizem que a cadeia de electrónica de consumo vai registar perdas no terceiro trimestre.

A Amazon.com e a eBay também caíram, depois de a ComScore ter divulgado que as vendas online da época natalícia aumentaram ao ritmo mais baixo de sempre.

"O consumidor está a ser afectado pelo aumento dos preços da energia e pela crise no mercado imobiliário, pelo que prevemos que os consumidores se contenham nos gastos", disse à Bloomberg Rose Grant, que gere a Eastern Investment Advisors. "Não acreditamos que os gastos dos consumidores sejam tão elevados como em trimestres anteriores", referiu a mesma responsável.

O índice de preços no consumidor aumentou 0,8% em Novembro, o que correspondeu à maior subida desde Setembro de 2005, depois de um aumento de 0,3% em Outubro, anunciou hoje o Departamento norte-americano do Trabalho.

Mais lidas
Outras Notícias