Bolsa Banca italiana afunda e arrasta congéneres. BCP cai 4%

Banca italiana afunda e arrasta congéneres. BCP cai 4%

Os resultados eleitorais em Itália deixaram os investidores apreensivos, à espera do que poderá acontecer. A banca italiana é das que mais se ressente e está a arrastar os títulos do sector na Europa. O BCP é dos que mais cai.
Banca italiana afunda e arrasta congéneres. BCP cai 4%
Luigi di Maio lidera o 5 Estrelas, que foi o partido mais votado nas eleições em Itália
Reuters
Sara Antunes 05 de março de 2018 às 15:21

O 5 Estrelas foi o partido mais votado nas eleições italianas que decorreram este domingo, 4 de Março, e a coligação de centro-direita foi a aliança mais votada, mas ninguém consegue a maioria absoluta, o que deixa o panorama político italiano em suspenso.

 

"Os bancos são os que sofrem mais devido à exposição ao mercado interno e devido ao aumento de incerteza relacionada com a falta de visibilidade sobre o futuro governo" italiano, explica à Bloomberg Luca Rubini, gestor na Fidentiis Equities. "Incerteza significa menos crescimento", realça.

 

E, de facto, o sector financeiro destaca-se no lado das quedas. O índice Stoxx para a banca recua 0,57%, com o Banca Popolare dell'Emilia Romagna a perder mais de 7,5%, o Banca Popolare di Milano a ceder mais de 6,5% e o UBI Caixa a cair mais de 5%. Logo a seguir surge um banco irlandês (Bank of Ireland). 

O BCP é o quinto banco que mais recua na Europa, dentro do índice em análise, ao descer 4,12% para 0,2992 euros, tendo já trocado de mãos quase 111 milhões de títulos, quando a média diária dos últimos seis meses é inferior a 63 milhões. Na semana passada o BCP foi o único título do PSI-20 a valorizar.

 

Estas quedas da banca estão a afectar o desempenho das bolsas periféricas, com o italiano Mibtel a descer mais de 1% e o português a ceder quase 0,5%. O grego FTASE recua mais de 1,5%, também a reflectir os dados do crescimento da economia, com o produto interno bruto (PIB) a crescer 1,4%, em 2017, ficando aquém do estimado pelo Governo helénico em duas décimas.

Ainda assim, as quedas das bolsas acabam por ser moderadas, numa altura em que as taxas de juro associadas à dívida de Itália estão a subir menos de cinco pontos. "O mercado não está de facto em pânico, já que muitos acreditam que uma coligação entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga é um risco pequeno", afirmou à Bloomberg Martin van Vliet, estratega do ING. O responsável acredita que o resultado não pode ser positivo para as obrigações italianas, já que há "um risco real de novas eleições dentro de seis meses".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Oh, Amado leva o BCP pró diabo! E vai junto! 05.03.2018

Os BCPatos emudeceram!!!!

Bisca 05.03.2018

Aconselha-se o Dono dos Burros a meter a albarda e o cabresto com a arriata e..... arre burro,arre burro!

Banca italiana afunda e arrasta congéneres. BCP ca 05.03.2018

estes sacanas já nao sabem o que dizer. estes jornaleiros do cccc. a bolsas subiram todas menos a portuguesa, porque esta bolsa é a pior do mundo.

BCP foi e é bom para os CEOs q o (des)geriram!!! 05.03.2018

Ora, temos de novo os BCPatos a levarem nas nalgas! Hoje o trambolhão foi de quase 4%! E a Altri subiu 3,15%! Qual é a melhor acção? Qual a q deu mais alegrias nestes 10 anos? O BCP devia estourar com os CEOs lá dentro! Em 1999 esta acção cotou a 5 € depois de 40 aumentos de capital vale 0,30 €

Saber mais e Alertas
pub