Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE está a estudar experiência da Fed e Banco de Inglaterra com o QE para decidir volume de títulos a comprar

Benoit Coeure, membro da comissão executiva do BCE, garante que a autoridade monetária terá em conta "as experiências norte-americana e britânica para determinar a quantidade de títulos a comprar". O BCE poderá anunciar, já em Janeiro, um programa de alívio quantitativo.

Bloomberg
Rita Faria afaria@negocios.pt 16 de Janeiro de 2015 às 13:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

O BCE está a estudar as experiências de outros bancos centrais com o programa de alívio quantitativo (QE, na sigla inglesa) – nomeadamente da Reserva Federal dos Estados Unidos e do Banco de Inglaterra – para decidir o volume de títulos que poderá comprar, como parte do seu próprio programa, avança Coeure, membro da comissão executiva do BCE.

 

"Vamos ter em conta as experiências norte-americana e britânica para determinar a quantidade de títulos a comprar", adiantou Benoit Coeure, em entrevista ao jornal Libération, confirmada pelo gabinete de imprensa do BCE.

 

Numa outra entrevista ao Irish Times, citada pela Bloomberg, o responsável do BCE refere que a autoridade monetária está também a estudar o risco de "consequências involuntárias" que poderão advir do programa de alívio quantitativo.

 

"Pode criar riscos para a estabilidade financeira porque vai fazer subir o preço dos activos", sublinhou. "Queremos ter a certeza que respondemos a todas as questões, que sempre que um efeito colateral negativo seja identificado, nós temos uma resposta" e "sabemos como mitigá-lo".

 

Este alívio quantitativo – que consiste na injeção directa de dinheiro na economia através da compra de activos – poderá ser anunciado já na reunião deste mês, agendada para dia 22, e consiste numa "arma" que o BCE utilizará para combater o risco de deflação na Zona Euro. Ainda esta sexta-feira, o Eurostat confirmou que a taxa de inflação homóloga na Zona Euro caiu para o valor negativo de -0,2% em Dezembro.

 

Estando a inflação muito longe do objectivo de 2% do BCE há muito tempo, a autoridade monetária comprometeu-se, no final do ano passado, a expandir o seu balanço em 1 bilião de euros, para os três biliões até ao final de 2016, para, na prática, gerar inflação. No entanto, para atingir esta expansão, o BCE necessitará de comprar também dívida pública, uma possibilidade que o presidente da autoridade monetária, Mario Draghi, já admitiu várias vezes este mês.

 

Todos os membros do Conselho de Governadores do BCE estão determinadas a cumprir o mandato", adiantou Draghi, numa entrevista ao alemão Die Zeit, publicada esta quarta-feira. "Há, naturalmente, diferenças nas formas em que isso pode ser feito, mas não há possibilidades infinitas". Para fazer subir os preços, o BCE " tem de manter os juros baixos e trabalhar em direcção a uma política monetária expansionista", acrescentou Draghi.

 

Na imprensa alemã, Mario Draghi já tinha admitido avançar para outras medidas, como a compra de títulos de dívida pública. No início de Janeiro, em entrevista ao jornal económico alemão Handelsblatt, o presidente da autoridade monetária europeia garantiu que, caso seja necessário, a instituição está em condições de "alterar a dimensão, a velocidade e a composição das nossas medidas já no início de 2015 para reagir a um longo período de baixa inflação na região".

Ver comentários
Saber mais BCE Reserva Federal dos Estados Unidos Banco de Inglaterra Benoit Coeure Zona Euro Eurostat Mario Draghi Conselho de Governadores do BCE
Outras Notícias