Bolsa BCP sobe mais de 4% e ajuda PSI-20 a valorizar pela quarta sessão

BCP sobe mais de 4% e ajuda PSI-20 a valorizar pela quarta sessão

A praça lisboeta negociou em terreno positivo pela quarta sessão consecutiva, num dia que foi o BCP que mais impulsionou o PSI-20 ao avançar acima de 4% para a cotação mais alta desde 9 de agosto.
BCP sobe mais de 4% e ajuda PSI-20 a valorizar pela quarta sessão
Miguel Baltazar
David Santiago 13 de setembro de 2019 às 16:42
O índice PSI-20 encerrou a sessão desta sexta-feira, 13 de setembro, a somar 0,64% para 5.048,89 pontos, com 12 cotadas em alta e as restantes seis em queda, no quarto dia consecutivo em que a bolsa lisboeta transacionou em terreno positivo.

O principal índice bolsista nacional transacionou no valor mais alto desde 30 de julho, o que o ajudou a completar a terceira semana seguida a acumular valor. Após somar respetivamente 1,99% e 1,65% nas duas últimas semanas, o PSI-20 ganhou 1,62% na semana que agora termina. 

Também o índice de referência europeu Stoxx600 registou a quarta valorização consecutiva, apoiado sobretudo nos ganhos conseguidos pelos setores das matérias-primas, banca e automóvel. Já o setor alimentar europeu foi o que mais recuou esta sexta-feira. 

O atenuar da tensão na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China - após Washington ter adiado para 15 de outubro a entrada em vigor das novas tarifas agravadas, Pequim revelou hoje ter comunicado às empresas chinesas que podem adquirir soja e carne de porco importada dos EUA - e o anúncio ontem feito pelo Banco Central Europeu, que baixou a taxa dos depósitos e vai adotar um novo programa de compra de ativos, contribuíram decisivamente para "pintar de verde" as bolsas do velho continente. 

Em Lisboa foi o BCP a estrela da sessão. O banco liderado por Miguel Maya subiu 4,35% para 0,2134 euros numa sessão em que ao negociar nos 0,2134 euros por ação tocou em máximos de 9 de agosto.

O maior banco privado português acompanhou os ganhos da generalidade da banca europeia, tirando partido do facto de o BCE ter também anunciado medidas destinadas a apoiar os setor financeiro tais como a isenção do pagamento de taxas de juro negativas nos depósitos e alterações nas taxas aplicadas às respetivas linhas de crédito aos bancos de forma a tornar os empréstimos concedidos à banca mais favoráveis.

Também a transacionar em máximos estiveram os CTT e a Sonae. Os correios nacionais ganharam 2,82% para 2,190 euros (máximo de 14 de junho) e a retalhista apreciou 1,75% para 0,903 euros (tocou nos 0,904 euros, um máximo de 17 de julho). Já a outra retalhista (Jerónimo Martins) cotada no PSI-20 recuou 0,16% para 15,79 euros, ajudando a travar uma subida mais expressiva da praça lisboeta. 

Nota positiva ainda para as subidas alcançadas pela Nos (+0,49% para 5,115 euros) e pelo setor do papel: a Semapa cresceu 1,63% para 12,48 euros, a Navigator ganhou 1,61% para 3,290 euros e a Altri avançou 0,98% para 6,18 euros. 

Ainda a apoiar a prestação positiva do PSI-20 esteve a Galp Energia que valorizou 1,46% para 13,165 euros. As restantes cotadas do setor energético tiveram um desempenho negativo: A EDP deslizou 1,90% para 3,416 euros, a EDP Renováveis resvalou 1,57% para 10 euros e a REN caiu 0,79% para 2,52 euros.

(Notícia atualizada às 17:00)



pub

Marketing Automation certified by E-GOI