Bolsa Bolsa de Lisboa regressa a ganhos após quatro sessões negativas

Bolsa de Lisboa regressa a ganhos após quatro sessões negativas

A abertura da praça portuguesa está a ser de ligeira alta esta quarta-feira, a acompanhar o verde na maioria das principais praças europeias. Universo EDP, Pharol e BCP sustentam as valorizações.
Bolsa de Lisboa regressa a ganhos após quatro sessões negativas
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 25 de outubro de 2017 às 08:08
À semelhança das aberturas de sessão dos últimos dias, a praça portuguesa iniciou esta quarta-feira as negociações na linha de água, com valorizações muito ligeiras, suportadas sobretudo nos avanços da EDP, EDP Renováveis, Pharol e BCP.

O PSI-20 ganha 0,06% para 5.417,41 pontos na abertura, com nove títulos em alta, dois inalterados e sete em terreno negativo.

A EDP Renováveis avança 0,6% para 7,10 euros enquanto a EDP ganha 0,27% para 2,978 euros, um dia depois de ser conhecido que o Governo vai cortar 100 milhões à EDP e à Endesa depois de as duas eléctricas terem cobrado este valor indevidamente aos consumidores em 2016 e 2017.

O montante vai ser recuperado às empresas através dos proveitos regulados que recebem anualmente e vão abater às tarifas reguladas da electricidade para 2018, que devem descer 0,2%, conforme a proposta do regulador ERSE.

A Pharol recupera das perdas recentes - ganha 0,47% para 0,428 euros - um dia depois de a assembleia geral de obrigacionistas da operadora ter sido novamente adiada, desta vez com a primeira convocatória a ser marcada para 10 de Novembro. Já o BCP aprecia 0,24% para 0,2537 euros.

A apresentar recuos está o peso-pesado Jerónimo Martins, que segundo a Bloomberg viu o Morgan Stanley cortar a recomendação da acção para Equal-weight, com um preço-alvo de 16 euros. Recua 0,95% para 15,68 euros.

A retalhista deverá apresentar esta quarta-feira os números relativos à actividade no terceiro trimestre, estimando o CaixaBI que de Janeiro a Setembro a empresa tenha lucrado menos 42% que no mesmo período de 2016, para 292 milhões de euros.

As cedências dos CTT, Nos e Galp (em manhã de recuos para o preço do petróleo em Londres e Nova Iorque) travam maiores progressões do índice português.

Fora do PSI-20, as acções da Impresa ganham 3,11% para 0,332 euros, depois de a empresa de media ter reportado prejuízos de 165 mil euros até Setembro (uma melhoria face aos prejuízos de 585 mil euros registados um ano antes) e 259 mil euros negativos no terceiro trimestre. 

A sessão europeia segue-se a novos máximos nas acções norte-americanas e a uma sessão positiva nas praças chinesas e de recuo dos máximos recentes no caso do japonês Nikkei. A marcar a sessão estará, além da época de apresentação de resultados, também a aproximação da reunião do Banco Central Europeu, que se realiza esta quinta-feira, e que deverá analisar uma possível revisão da política de estímulos, nomeadamente o programa de compra de activos.

(notícia actualizada às 9:00 com mais informação)