Bolsa Bolsa nacional cai mais de 1,5%. Jerónimo Martins afunda mais de 9%

Bolsa nacional cai mais de 1,5%. Jerónimo Martins afunda mais de 9%

A bolsa nacional caiu mais de 1,5%, numa sessão de quedas generalizadas na Europa. Na praça nacional o destaque foi a Jerónimo Martins, que registou a maior queda desde Julho de 2014.
Bolsa nacional cai mais de 1,5%. Jerónimo Martins afunda mais de 9%
Reuters
Sara Antunes 01 de março de 2018 às 16:43

O PSI-20 recuou 1,68% para 5.376,33 pontos, com 16 cotadas em queda e duas em alta. Entre os congéneres europeus a tendência também é de quedas, com os índices a registarem descidas superiores a 1% na maior parte dos casos. 

A penalizar a negociação bolsista estão, sobretudo, os ventos oriundos dos EUA. Mais especificamente a perspectiva de necessidade de "mais subidas graduais" de juros partilhada pelo novo presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, esta semana na Câmara dos Representantes. Esta quinta-feira, 1 de Março, o mesmo responsável vai falar perante o comité bancário do Senado.

A perspectiva de mais subidas de juros nos EUA, conjugada com o facto de o crescimento económico dos EUA ter sido revisto ligeiramente em baixa, está a provocar quedas das bolsas. Já ontem, Wall Street fechou com quedas acentuadas, elevando a descida mensal para quase 4%, no caso do S&P500, o que corresponde à desvalorização mensal mais pronunciada desde 2016.

Na praça de Lisboa, o grande destaque está a ser a Jerónimo Martins, ao afundar 9,73% para 15,40 euros, tendo tocado em mínimos de Dezembro. Esta foi a pior sessão desde Julho de 2014. A contribuir para este desempenho estão os resultados apresentados pela retalhista ontem já após o fecho do mercado. A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos fechou 2017 com uma quebra de lucros de 35% para 385 milhões de euros. Uma queda que é justificada essencialmente pelo facto de em 2017 não terem sido registados factores extraordinários.

A contrariar a tendência de quedas esteve o BCP, cujos títulos subiram 1,25% para 0,2987 euros, evitando assim uma descida mais pronunciada do índice, que chegou a cair mais de 2% durante a sessão. A outra cotada que subiu foi a REN, ao apreciar 0,32% para 2,482 euros.


As quedas foram assim generalizadas na bolsa nacional, com a Pharol, a EDP (que apresenta os resultados de 2017 ainda esta quinta-feira), a Navigator, a Galp e a Altri a descerem mais de 1%.

(Notícia actualizada às 17:03 com mais cotadas)