Bolsa Bolsa nacional cai pelo quarto dia pressionada pelo BCP

Bolsa nacional cai pelo quarto dia pressionada pelo BCP

A bolsa lisboeta negociou em terreno negativo pela quarta sessão consecutiva, num dia em que as fortes perdas do BCP determinaram o sentimento do PSI-20.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 10 de janeiro de 2017 às 16:42

O PSI-20 fechou a sessão bolsista desta terça-feira, 10 de Janeiro, a perder 1,26% para 4.618,21 pontos, com 12 cotadas a negociar em queda e as restantes seis em alta, naquele que foi o quarto dia consecutivo a acumular perdas e em que a bolsa nacional transaccionou em mínimos de 23 de Dezembro.

 

A praça lisboeta contrariou a tendência predominante verificada nas principais praças europeias, que negociaram em alta ligeira recuperando assim parte das perdas registadas na sessão anterior, dia da maior queda do último mês.

 

No plano nacional foi o BCP a cotada que mais penalizou a bolsa lisboeta. O banco liderado por Nuno Amado desvalorizou 11,34% para 0,9231 euros, numa sessão em que os títulos do BCP, ao tocarem nos 0,87 euros, registaram um novo mínimo histórico. Esta foi a maior queda diária desde que em 13 de Dezembro os títulos do banco fecharam a resvalar 12,38%.

 

As perdas do BCP acontecem no dia seguinte ao anúncio de que o banco irá realizar um aumento de capital de 1.300 milhões de euros, operação que tem como principal objectivo permitir à instituição reembolsar os 700 milhões de euros recebidos de ajuda estatal.

Continuando na banca, o BPI contrariou a tendência dominante ao ganhar 0,35% para 1,132 euros.

 

O dia foi também negativo para o sector energético, com a EDP Renováveis a recuar 2,48% para 5,81 euros, a EDP a deslizar 1,93% para 2,74 euros, a Galp Energia a perder 0,74% para 14,07 euros e a REN a cair 1,36% para 2,607 euros.

 

Já no sector do retalho o sentimento dividiu-se. A Jerónimo Martins cedeu 0,22% para 15,955 euros, numa altura em que se aproxima o dia 12 de Janeiro, data em que a retalhista vai divulgar sobre as vendas preliminares. Apesar de não serem ainda conhecidos dados preliminares sobre o último trimestre de 2016, as casas de investimento antecipam que os últimos três meses do ano passado foram "fortes".


Pelo seu lado, a Sonae somou 0,35% para 0,859 euros.

 

Também em queda negociaram os CTT, que perderam 3,06% para 6,33 euros, e a Altri, que cedeu ténues 0,05% para 3,895 euros, isto no mesmo dia em que o Haitong reiterou a perspectiva positiva em relação à cotada.

 

A travar uma queda mais acentuada esteve a Nos ao valorizar 1,04% para 5,416 euros.

(Notícia actualizada às 16:51)




pub

Marketing Automation certified by E-GOI