Bolsa Bolsa nacional renova recorde de 2015 e Navigator atinge máximos

Bolsa nacional renova recorde de 2015 e Navigator atinge máximos

As bolsas europeias estão a negociar em máximos do Verão de 2015, mantendo a tendência de ganhos registada nas últimas sessões. Lisboa não foge à regra, e segue no valor mais alto em mais de dois anos e meio. Navigator e BPI também estão em máximos.
Bolsa nacional renova recorde de 2015 e Navigator atinge máximos
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 08 de janeiro de 2018 às 13:12

O PSI-20 segue a subir 0,60% para 5.649,19 pontos, com 12 cotadas em alta, quatro em queda e duas inalteradas. O principal índice da bolsa nacional renovou já máximos de Agosto de 2015, um cenário idêntico ao observado entre os congéneres europeus. O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, também está a subir para níveis de Agosto de 2015.

 

A bolsa nacional segue assim em alta, a beneficiar da subida da maioria das cotadas, com destaque para a Navigator, que já atingiu o valor mais elevado desde Maio de 2015, tendo tocado nos 4,548 euros. Uma tendência que é acompanhada pelo restante sector. Além da subida superior a 1% da Navigator, a Altri aprecia 0,38% para 5,30 euros e a Semapa cresce 0,55% para 18,16 euros.

 

A contribuir para os ganhos está também o BCP, ao apreciar 0,57% para 0,2994 euros, depois de na semana passada ter registado fortes ganhos que chegaram a elevar o banco liderado por Nuno Amado para um valor acima dos 0,30 euros pela primeira vez desde 2016.

 

Ainda na banca, mas fora do PSI-20, o BPI segue com um forte ganho, ao avançar 3,23% para 1,28 euros, atingindo um novo máximo de Março de 2016.

 

Em alta segue também a EDP Renováveis, ao apreciar 1,40% para 6,885 euros, assim com a Galp Energia, que avança 0,53% para 16,04 euros, num dia em que o petróleo regressou aos ganhos. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, sobe 0,35% para 67,86 dólares.

 

Destaque ainda para a EDP, que está a valorizar 0,50% para 3,009 euros. De realçar o facto de o CaixaBI ter revisto as suas estimativas e a avaliação das acções da EDP para 3,15 euros, o que representa um corte de 10% face ao anterior preço-alvo de 3,50 euros. Ainda assim, o novo "target" confere às acções um potencial de subida de 5,21% face ao valor de fecho da EDP (2,994 euros) na última sexta-feira.