Bolsa Bolsa nacional sobe pela primeira vez em três dias apoiada pela Galp

Bolsa nacional sobe pela primeira vez em três dias apoiada pela Galp

Depois de duas sessões em queda e de ter tocado em mínimos de mais de um mês, o PSI-20 transaccionou em alta ligeira a beneficiar das subidas da Galp Energia, que tocou em máximos de mais de seis anos, da Altri e dos CTT.
A carregar o vídeo ...
David Santiago 07 de novembro de 2017 às 16:43

O PSI-20 fechou a sessão desta terça-feira a somar ténues 0,03% para 5.351,24 pontos, com 10 cotadas em queda e as restantes oito em alta, interrompendo uma série de duas sessões consecutivas a negociar no vermelho. O principal índice nacional contrariou a tendência de perdas verificada nas principais praças europeias.

Em sentido inverso, o índice de referência europeu Stoxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas do Velho Continente, recuou pela primeira vez em três sessões, em especial pressionado pelo sector do retalho.

Em Lisboa, a Galp Energia foi a cotada que mais contribuiu para a prestação positiva do PSI-20, com a petrolífera a somar 1,33% para 16,375 euros, num dia em que transaccionou em máximos de 30 de Junho de 2011 ao tocar nos 16,605 euros. A Galp voltou a beneficiar da valorização do petróleo nos mercados internacionais, num dia em que em Londres o Brent negociou acima dos 64 dólares por barril, proporcionada pela incerteza política na Arábia Saudita. Entretanto, o crude inverteu e segue em queda tanto em Londres como em Nova Iorque.

A apoiar os ganhos da bolsa lisboeta estiveram também os CTT que somaram 1,71% para 3,506 euros, recuperando parcialmente das perdas acumuladas nas últimas sessões em que os correios nacionais renovaram em diversas ocasiões mínimos de sempre, pressionados pelos resultados decepcionantes e pelo corte de dividendos revelados na semana passada.

Também em alta negociou a Altri, recuperando parte das perdas registadas na últimas sessão, dia em que recuou acima de 8%. A cotada apreciou 2,76% para 5,365 euros. Ainda no papel, a Navigator ao perder 0,55% para 4,357 euros foi adas cotadas que mais penalizou o sentimento na praça lisboeta. Também a Semapa recuou 0,81% para 16,49 euros.

Nota positiva ainda para a EDP que ganhou 0,47% para 2,964 euros e para a EDP Renováveis que cresceu 0,24% para 6,995 euros. Também no sector energético mas a pressionar, a REN resvalou 1,71% para 2,651 euros.

Já no retalho o sentimento dividiu-se, com a Sonae a valorizar 0,82% para 0,988 euros e a Jerónimo Martins a deslizar 0,25% para 15,975 euros.

A impedir uma maior subida da bolsa nacional esteve o BCP que perdeu 0,98% para 0,2527 euros.


(Notícia actualizada às 16:52)