Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsa acompanha Europa e segue em queda pressionada por mínimo da PT

A Euronext Lisbon desvalorizava arrastada pelas congéneres europeias e pela Portugal Telecom que atingiu hoje o mínimo de ano e meio prejudicada pelas constantes revisões em baixa de que tem sido alvo. O PSI-20 deslizava 0,49% com apenas a Media Capital a

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 24 de Junho de 2005 às 12:59
  • Partilhar artigo
  • ...

A Euronext Lisbon desvalorizava arrastada pelas congéneres europeias e pela Portugal Telecom que atingiu hoje o mínimo de ano e meio prejudicada pelas constantes revisões em baixa de que tem sido alvo. O PSI-20 deslizava 0,49% com apenas a Media Capital a valorizar.

O principal índice da bolsa nacional cotava nos 7.503,25 pontos com 14 acções a cair, cinco inalteradas e apenas uma a valorizar. As praças europeias depreciavam depois do crude ter atingido um novo recorde nos 60 dólares, devido à especulação de que as refinarias não terão capacidade de aumento de produção de «diesel», gasolina e gasóleo para aquecimento, para responder à procura.

A Portugal Telecom (PT) [ptc] escorregava 1,15% para os 7,81 euros, depois de ter tocado no valor mínimo de Dezembro de 2003 ao negociar nos 7,80 euros através de uma queda máxima de 2,13%. A operadora nacional tem sido alvo de revisões em baixa por parte de casas de investimento. Hoje o Citigroup também reduziu o «target» para a PT de 9 euros para os 8,60 euros.

«A PT teve um comportamento negativo após o ‘profit warning’ da TMN mas manteve-se por volta dos oito euros mais ou menos durante 15 sessões. Hoje quebrou os 7,90 euros, um valor que permitiu aos investidores perceberem que a operadora tem espaço para cair ainda mais, talvez até aos 7,30/7,45 euros», explicou o operador Luís Duarte do Caixa BI.

A participada da PT- PT Multimédia [ptm] – deslizava 1,16% para os 8,52 euros.

O Banco Espírito Santo (BES) [besnn] também pressionava, com uma queda de 0,31% para os 12,79 euros enquanto o Banco Comercial Português (BCP) [bcp] seguia inalterado nos 2,13 euros. A emissão dos valores convertíveis de 700 milhões de euros realizada pelo BCP em 2002, e que matura este ano, deverá impedir as acções do banco de superar, em 2005, a barreira dos 2,20 euros. Segundo a ES Research, a instituição precisa de alienar activos no valor de 400 milhões de euros para cumprir a meta do Tier I core nos 6%.

A Media Capital contrariava a tendência do PSI-20 com ganhos de 1,56% para os 6,50 euros depois de ter chegado a valorizar até 2,03% para os 6,53 euros. Esta empresa «tem mostrado estranhamente um comportamento positivo nos últimos meses, o que poderá ter a ver com o facto de se especular que alguém (fala-se na RTL) queira entrar na empresa», explicou o mesmo operador».

Pinto Balsemão, presidente da Impresa disse ontem que ainda havia espaço para uma consolidação no sector «e talvez a Media Capital seja o activo mais atraente neste contexto», revelou Luís Duarte explicando esta preferência uma vez que é a que tem «maior ‘free float’ e é uma empresa mais fácil de controlar».

Para além disso, a empresa liderada por Paes do Amaral beneficia do facto de estar a registar maiores audiência no horário nobre «o que poderá trazer mais investimentos publicitários nos próximos tempos para a empresa», acrescentou.

O restante sector «media» seguia com a Cofina e a Impresa a perderem 0,35% para os 2,88 euros e 1,12% para os 5,28 euros, respectivamente.

A Energias de Portugal (EDP) [edp] seguia inalterada nos 2,09 euros bem como a Sonae SGPS [son] a cotar nos 1,15 euros.

Ver comentários
Outras Notícias