Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA caem pela terceira semana consecutiva

O receio de novas subidas de juro nos Estados Unidos arrastou as bolsas norte-americanas para a terceira queda semanal, o que já não acontecia desde Outubro.

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 23 de Junho de 2006 às 21:09
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O receio de novas subidas de juro nos Estados Unidos arrastou as bolsas norte-americanas para a terceira queda semanal, o que já não acontecia desde Outubro.

Na sessão de hoje, as bolsas negociaram mistas, depois de ter sido noticiado mais uma possível oferta pública de aquisição (OPA), agora no sector petrolífero. O Dow Jones [indu] encerrou a recuar 0,27% para 10.989,09 pontos e o Nasdaq [ccmp] fechou a descer 0,07% para 2.121,47 pontos.

A subida das taxas de juro tem sido o elemento mais negativo para as bolsas, já que os mercados são pressionados pois as empresas vêem os seus custos aumentar. Especula-se que os consumidores controlem mais os seus gastos e que como consequência possa verificar-se um abrandamento do crescimento económico, factores que penalizam as empresas.

Em contrapartida, este ano as OPA sustentaram a negociação bolsista nos primeiros meses do ano, tendo inclusivamente elevado os índices para máximos.

Com o acalmar das notícias relacionadas com as OPA, os mercados ficaram mais expostos a questões económicas, essencialmente às subidas das taxas de juro nos Estados Unidos, numa altura em que a taxa de referência do país se situa nos 5% e se espera que a Reserva Federal (Fed) aumente para 5,25% ainda este mês.

A Fed reúne-se nos próximos dias 28 e 29 e o mercado receia que os responsáveis pela política monetária não assinalem uma pausa no ciclo de subidas de juros.

A contrariar a tendência de queda na sessão de hoje esteve o anuncio por parte da petrolífera norte-americana Anadarko. A empresa divulgou que chegou a acordo para adquirir as produtoras Kerr-McGee e Western Gas Resources em negócios que totalizam 21 mil milhões de dólares (16,63 mil milhões de euros).

Outras Notícias