Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas dos EUA seguem com tendências diferentes

As bolsas norte-americanas seguiam a negociar com tendências diferentes. O Dow Jones seguia em queda enquanto o Nasdaq inverteu a tendência de abertura e valorizava. Os índices estão a ser prejudicados pela divulgação de um crescimento aquém do esperado d

Ruben Bicho rbicho@mediafin.pt 26 de Março de 2004 às 15:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As bolsas norte-americanas seguiam a negociar com tendências diferentes. O Dow Jones seguia em queda enquanto o Nasdaq inverteu a tendência de abertura e valorizava. Os índices estão a ser prejudicados pela divulgação de um crescimento aquém do esperado dos gastos das famílias.

O Dow Jones caía 0,02% para os 10.210,97 pontos enquanto o Nasdaq ganhava 0,26% para os 1.972,20 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 (S&P 500) crescia 0,12% para os 1.110,51 pontos.

Os gastos das famílias dos EUA cresceram 0,2% em Fevereiro, abaixo dos 0,4% esperados pelos analistas. Os rendimentos, por sua vez, aumentaram 0,4%, valor acima do previsto.

As acções do grupo Albertsons recuavam 2,21% para os 22,16 dólares (18,23 euros). O grupo vai comprar as lojas da cadeia de supermercados britânica Sainsbury’s nos Estados Unidos por 2,5 mil milhões de dólares.

A General Electric ganhava 1,52% para os 30,15 dólares (24,80 euros) depois de a JP Morgan ter anunciado que incluiu a empresa na sua lista «Focus 1».

A corretora online E*Trade avançava 3,07% para os 13,09 dólares (10,77 euros) com as notícias de que poderá ser incluída no índice Standard & Poor’s 500, ocupando o lugar da FleetBoston, que vai ser adquirida pelo Bank of America.

A Echostar, empresa distribuidora de conteúdos televisivos por satélite, caía 3,03% para os 33,59 dólares (27,63 euros) depois de os lucros da empresa terem ficado abaixo das previsões dos analistas.

Ontem o Nasdaq registou o maior ganho diário dos últimos nove meses, impulsionado por previsões optimistas de resultados de empresas. Os mercados estão agora a corrigir desses ganhos, e os receios de ataques terroristas ainda não se desvaneceram entre os investidores, consideram os analistas

Ver comentários
Outras Notícias