Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bolsas europeias recuam pela terceira vez esta semana

As principais praças europeias encerraram em terreno negativo pela terceira vez esta semana penalizadas pelos receios de que novas perdas relacionadas com a crise no mercado de crédito imobiliário de alto risco sejam ocultadas pelas empresas do sector fin

Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 06 de Março de 2008 às 19:36
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

As principais praças europeias encerraram em terreno negativo pela terceira vez esta semana penalizadas pelos receios de que novas perdas relacionadas com a crise no mercado de crédito imobiliário de alto risco sejam ocultadas pelas empresas do sector financeiro.

Também os receios com o impacto da valorização do petróleo nos resultados das companhias, sobretudo das aéreas, pressionou os mercados bolsistas, num dia em que o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco de Inglaterra decidiram manter inalteradas as taxas de juro de referência nos 4% e nos 5,25%, respectivamente.

Os índices do Velho Continente acentuaram as quedas depois do anúncio de que as execuções hipotecárias nos EUA aumentaram para o nível mais elevado de sempre, em 2007, depois das subidas de juros por parte da Reserva Federal (Fed) e da crise de crédito ter levado a que muitas famílias deixassem de conseguir pagar as prestações do seus empréstimos.

A liderar as desvalorizações esteve o UBS que recuou ao nível mais baixo desde 2003 depois de a JP Morgan Chase ter anunciado que este deverá ter que anunciar novas amortizações de activos devido à crise no mercado de crédito imobiliário dos EUA. As acções do banco cederam 4,65% para os 30,74 euros.

A seguradora Aegon desceu 5,71% para os 9,25 euros depois de ter anunciado uma queda de 26% nos lucros. A British Airways sofreu a sua maior descida em quatro anos, ao ter anunciado que a sua margem de lucro vai cair. A companhia cedeu 7,55% para os 245 pence.

O IBEX [IBEX] perdeu 1,12% para os 12.803,30 pontos, pressionado pelo Banco Santander que caiu 2,47% para os 11,44 euros e pelo BBVA que desceu 2,53% para os 13,09 euros.

O HSBC desvalorizou 2,73% para os 767 pence, enquanto a BP perdeu 2,29% para os 534,5 euros e levaram o Footsie a depreciar 1,49% para os 5.766,40 pontos.

Em Paris, o CAC [CAC] cedeu 1,65% para os 4.678,05 pontos, apesar das subidas do Carrefour que ganhou 4,09% para os 48,34 euros e da EDF que avançou 3,74% para os 60,5 euros.

O DAX [DAX] recuou 1,38% para os 6.591,31 pontos influenciado pelas quedas da Siemens e da Allianz, que perderam 2,54% para os 82,33 euros e 2,08% para os 112,48 euros, respectivamente.

O AEX [AEX], em Amesterdão, depreciou 1,60% para os 437,27 pontos, com o ING e o Royal Dutch Shell a liderar as desvalorizações. O primeiro perdeu 3,86% para os 21,19 euros, enquanto o segundo cedeu 3,87% para os 341,25 euros.

Outras Notícias