Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BPI revê em alta preço-alvo para a Jerónimo Martins para 6,75 euros

O BPI reviu a avaliação da Jerónimo Martins para 6,75 euros, depois da empresa ter realizado o Dia do Investidor. A casa de investimento aumentou em 9% o "target", considerando que a empresa, apesar de não ter dado "grandes notícias", houve indicações "positivas em várias frentes".

Sara Antunes saraantunes@negocios.pt 11 de Novembro de 2009 às 09:36
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
O BPI reviu a avaliação da Jerónimo Martins para 6,75 euros, depois da empresa ter realizado o Dia do Investidor. A casa de investimento aumentou em 9% o “target”, considerando que a empresa, apesar de não ter dado “grandes notícias”, houve indicações “positivas em várias frentes”.

Após o Dia do Investidor, que decorreu ontem, o BPI decidiu rever em alta o preço-alvo da Jerónimo Martins de 6,20 euros para 6,75 euros, o que confere às acções da retalhista um potencial de valorização de 3,21% face à cotação actual (6,54 euros).

Já a recomendação foi revista em baixa de “acumular” para “manter”.

Os analistas do BPI destacam o facto das perspectivas para a Polónia permanecerem “em linha com as expectativas”, com o as previsões “a continuarem a serem fortes”, de acordo com um nota de análise à qual o Negócios teve acesso.

A grande surpresa foi o negócio de retalho em Portugal, revelam os analistas. “Confirmámos que as margens melhoraram, principalmente devido ao ambiente de preços estáveis e à integração da Plus”, unidade que foi comprada pela empresa. Os analistas reviram as suas estimativas para o retalho em Portugal.

O BPI realça que o “Recheio também foi uma fonte de surpresas positivas” e “deve atingir um desempenho ligeiramente melhor do que o esperado”. Ainda sobre esta unidade de negócio, os analistas salientam “o objectivo algo ambicioso” do Recheio que “deve acelerar a expansão através de um cobertura total do país”.

Os analistas acabaram ainda por rever em baixa as suas previsões de receitas para o grupo para o período de 2009-2012 em 2%, estimando agora um crescimento médio anual entre 18% a 20%.

Ver comentários
Outras Notícias