Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

China deverá deixar apreciar yuan ainda neste trimestre

A China deverá permitir uma apreciação do yuan até 30 de Junho deste ano, de forma a controlar a inflação e a evitar uma apreciação súbita do valor da divisa. É nesse cenário que os economistas estão a apostar. O país responderá assim também às fortes pressões internacionais a que tem sido sujeito, em particular dos EUA e da Zona Euro.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 13 de Abril de 2010 às 13:37
  • Partilhar artigo
  • ...
A China deverá permitir uma apreciação do yuan até 30 de Junho deste ano, de forma a controlar a inflação e a evitar uma apreciação súbita do valor da divisa. É nesse cenário que os economistas estão a apostar. O país responderá assim também às fortes pressões internacionais a que tem sido sujeito, em particular dos EUA e da Zona Euro.

A apreciação da moeda chinesa poderá, por seu turno, dar início à subida de um conjunto de divisas asiáticas, cujas economias beneficiarão do maior poder do maior poder de compra daqueles que detêm a divisa chinesa, segundo antecipam analistas consultados pela agência Bloomberg.

O banco central chinês deverá permitir que a sua divisa negoceie num intervalo de negociação mais amplo ainda este trimestre, estimam 12 dos 19 economistas inquiridos pela Bloomberg. Cinco esperam que a divisa aprecie até 30 de Setembro e dois prevêem a reavaliação da divisa para o final do ano.

Um grupo de 11 analistas, que inclui o Bank of China e o China Construction, exclui a hipótese de o valor da divisa ser apreciada de forma brusca, ao passo que 15 acreditam que a autoridade monetária do país vai permitir que a divisa negoceie num intervalo de negociação mais amplo face ao dólar.

Ontem o presidente da China, Hu Jintao, disse em Washington que o país depende de 230 milhões de trabalhadores migrantes e vai salvaguardar “as suas próprias necessidades económicas e de desenvolvimento social” quando decidir o rumo a dar à sua política cambial.

“A China não vai permitir uma reavaliação brusca do yuan quando for confrontada com pressões internacionais”, disse o analista sénior do Construction Bank em Pequim, Zhao Qingming à Bloomberg. Ainda assim, “a China pode permitir que o yuan abandone a negociação fixa face ao dólar no final do segundo trimestre ou no início do terceiro trimestre, à medida que a recuperação económica demonstre ser sólida”.

Ainda assim, comprar a moeda chinesa poderá não ser a melhor escolha para os investidores que queiram beneficiar desta apreciação. É que a história mostra que há outras divisas cujo desempenho ultrapassa o do yuan, quando este é apreciado.

Da última vez que o yuan foi apreciado pelo banco central, o won da Coreia do Sul e a rupia da Indonésia subiram cinco vezes mais do que a moeda chinesa, nos 12 meses que se seguiram à decisão do banco central chinês, segundo demonstram dados da Bloomberg. O dólar de Singapura apreciou a um ritmo três vezes superior.

Este efeito é explicado pela procura de bens vendidos por outros países da Ásia, como o óleo palma da Malásia, o carvão da Indonésia e o cobre indiano, que beneficiam do aumento do poder de compra das famílias e empresas que detêm yuans.

“Uma apreciação do yuan vai dar início à políticas menos expansionistas entre as restantes divisas asiáticas”, disse o administrador executivo do Millennium Asset Management em Londres, Richard Benson à Bloomberg. “Estas divisas estão fundamentalmente baratas”, conclui.

Ver comentários
Outras Notícias