Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cimpor ganha quase 1% no regresso à negociação em Lisboa

A Cimpor já regressou à negociação na bolsa de Lisboa, a subir quase 1%. A proposta de fusão apresentada pela Camargo Corrêa está animar as acções da cimenteira que esteve mais de quatro horas suspensa por determinação da CMVM.

Paulo Moutinho 13 de Janeiro de 2010 às 15:02
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
A Cimpor já regressou à negociação na bolsa de Lisboa, a subir quase 1%. A proposta de fusão apresentada pela Camargo Corrêa está animar as acções da cimenteira que esteve mais de quatro horas suspensa por determinação da CMVM.

Antes de serem suspensos os títulos da Cimpor registavam um ganho modesto, de apenas 0,08%, para 6,435 euros. No regresso à negociação, as acções estão a valer 6,46, mais 0,47% do que no fecho de ontem, e chagaram a subir um máximo de 0,92%. Já foram negociados quase 270 mil títulos.

O mercado está a reagir positivamente à proposta de fusão apresentada entretanto pela Camargo Corrêa. A companhia brasileira avançou com uma oferta alternativa à da CSN propondo uma fusão.

A empresa brasileira colocou em cima da mesa uma proposta de fusão da sua participada Camargo Corrêa Portugal, que controlará a Camargo Corrêa Cimentos, com a empresa portuguesa.

A unidade cimenteira da empresa brasileira seria depois integrada na Cimpor, através de um aumento de capital da empresa portuguesa, sendo que o Grupo Camargo Corrêa ficaria com “uma participação necessariamente inferior a 50% do capital social e dos votos da Cimpor uma vez concluído, na sua totalidade, o processo de fusão”.

A Camargo Corrêa afirma, em comunicado enviado à CMVM, que esta proposta “pretende servir de base às negociações entre as duas empresas, ficando a fusão dependente da existência de acordo, entre ambas, quanto aos termos finais da mesma”.


De sublinhar que para aliciar os accionista da Cimpor, a Camargo Corrêa propõe a distribuição de um dividendo extraordinário de até 350 milhões de euros, sendo o dinheiro para o efeito da responsabilidade da empresa brasileira. Por cada acção, os investidores podem receber 0,52 euros.

Ver comentários
Outras Notícias